O avanço do volume de serviços de abril para maio de 2022 foi acompanhado por todas as cinco atividades investigadas, com destaque para os transportes (+0,9%), que recuperaram parte da retração de -2,5% verificada no mês anterior, e o terceiro resultado positivo consecutivo em informação e comunicação (+0,9%), com ganho acumulado de +3,4%.

Os demais avanços vieram de outros serviços (+3,1%); de profissionais, administrativos e complementares (+1,0%); e de serviços prestados às famílias (+1,9%), o terceiro resultado positivo seguido, com ganho acumulado de +8,1%.

Regionalmente, 16 das 27 unidades da Federação assinalaram expansão no volume de serviços em maio de 2022, na comparação com o mês imediatamente anterior. Os impactos mais importantes vieram de São Paulo (+0,6%) e de Minas Gerais (+3,3%), seguidos por Santa Catarina (+3,3%), Mato Grosso do Sul (+5,3%) e Amazonas (+3,7%). Em contrapartida, Pernambuco (-3,1%), Rio de Janeiro (-0,2%), Mato Grosso (-1,7%) e Paraná (-0,4%) exerceram as principais influências negativas em termos regionais.

Na comparação com maio de 2021, o avanço do volume de serviços foi registrado em 26 das 27 unidades da Federação. A principal contribuição positiva ficou com São Paulo (+11,1%), seguido por Minas Gerais (+15,0%), Rio Grande do Sul (+14,8%), Ceará (+24,1%) e Rio de Janeiro (+2,4%). Em sentido oposto, o Distrito Federal (-4,3%) assinalou o único resultado negativo.

No acumulado do ano, frente a igual período de 2021, o avanço ocorreu em 26 das 27 unidades da Federação. O principal impacto positivo em termos regionais ocorreu em São Paulo (+11,0%), seguido por Minas Gerais (+12,0%), Rio Grande do Sul (+15,5%), Bahia (+12,2%) e Rio de Janeiro (+2,4%). Por outro lado, Rondônia (-1,0%) registrou a única influência negativa sobre índice nacional.

Atividades turísticas crescem 2,6% em maio

Em maio de 2022, o índice de atividades turísticas apontou expansão de +2,6% frente a abril, terceiro resultado positivo consecutivo. O segmento de turismo se encontra -0,1% abaixo do patamar de fevereiro de 2020.

Apenas quatro dos 12 locais pesquisados acompanharam este movimento de crescimento verificado na atividade turística nacional. A contribuição positiva mais relevante ficou com São Paulo (+2,5%), seguido por Rio Grande do Sul (+3,9%), Bahia (+1,5%) e Ceará (+2,3%). Em sentido oposto, Rio de Janeiro (-2,8%), Goiás (-9,6%), Paraná (-4,4%) e Santa Catarina (-4,8%) assinalaram os principais recuos.

Na comparação intranual, o volume de atividades turísticas no Brasil em maio cresceu +45,6%, 14ª taxa positiva seguida, impulsionado, principalmente, pelo aumento na receita de empresas que atuam nos ramos de transporte aéreo; restaurantes; hotéis; locação de automóveis; rodoviário coletivo de passageiros; serviços de bufê; e agências de viagens.

Todas as doze unidades da Federação onde o indicador é investigado mostraram avanço nos serviços voltados ao turismo, com destaque para São Paulo (+50,5%), seguido por Minas Gerais (+80,1%), Rio de Janeiro (+24,6%), Rio Grande do Sul (+58,7%) e Bahia (+45,8%).

No indicador acumulado do ano, o agregado especial de atividades turísticas cresceu +50% frente a igual período de 2021, impulsionado, sobretudo, pelos aumentos de receita obtidos por empresas dos ramos de transporte aéreo de passageiros; restaurantes; hotéis; locação de automóveis; transporte rodoviário coletivo de passageiros; e serviços de bufê.

Todos os doze locais investigados também registraram taxas positivas, em que sobressaíram os ganhos vindos de São Paulo (+56,7%), seguido por Minas Gerais (+82,1%), Rio de Janeiro (+27,9%), Bahia (+47,2%) e Rio Grande do Sul (+68,0%).

Transporte de cargas cresce +1,8%

Em maio de 2022, o volume de transporte de passageiros no Brasil registrou variação negativa de -0,3% frente a abril, na série livre de influências sazonais, após ter acumulado um ganho de +27,2% entre novembro de 2021 e abril de 2022. Dessa forma, o segmento se encontra, neste mês, -0,4% abaixo do nível de fevereiro de 2020 (pré-pandemia).

Por sua vez, o volume do transporte de cargas apontou expansão de +1,8% em maio de 2022, acumulando, assim, um ganho de +13,0% desde outubro de 2021. Dessa forma, o segmento alcança novo recorde, ao atingir, neste mês, o ponto mais alto de sua série. Com relação ao nível pré-pandemia, o transporte de cargas está +25,9% acima de fevereiro de 2020.

No confronto com igual mês de 2021, sem ajuste sazonal, o transporte de passageiros teve a 14ª taxa positiva seguida (+42,6%), ao passo que o transporte de cargas cresceu +13,7%, seu o 21º resultado positivo consecutivo.

No acumulado do ano, o transporte de passageiros cresceu +51,3% frente a igual período de 2021, enquanto o de cargas avançou +12,4% no mesmo intervalo.

* Com informações do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Veja também: