O Governador João Doria e o Secretário de Fazenda Henrique Meirelles ao lado do presidente da Volkswagen para a América Latina, Pablo Di Si, e do chefe global de operações da empresa, Ralf Brandstätter, no anúncio do investimento (29/08/2019). Foto: Governo do Estado de São Paulo

O anúncio foi feito na sede da empresa, em Wolfsburg, na Alemanha. A quantia será investida nas fábricas de São Carlos e de São Bernardo do Campo para a fabricação do novo modelo.

New Urban Coupé

A montadora alemã divulgou apenas a silhueta do New Urban Coupé, como vem sendo chamado o modelo desenvolvido no Brasil e que será, pela primeira vez, produzido em outros países.  

O novo SUV será posicionado entre o Polo e o T-Cross e terá fabricação em São Bernardo do Campo (SP).

"É a primeira vez que a Volkswagen do Brasil irá exportar o conceito de um novo veículo desenvolvido 100% aqui e que terá abrangência global. É a globalização da tecnologia e do conhecimento desenvolvido no Brasil",  afirmou Pablo Di Si, presidente da VW América Latina.

"Uma parte fundamental de nossa estratégia é mais regionalização. Demos  mais poder de decisão para eles fazerem o seu negócio. A VW Brasil está  em um bom caminho, está fazendo um bom trabalho. Entramos com tecnologia  da plataforma MQB e o time no Brasil colocou um novo carro nela", disse  Ralf Brandstätter, chefe de operação da marca VW.

Há 50 engenheiros voltados para o novo projeto. O modelo integra sistemas de áudio, conectividade, multimídia, uma novidade em  relação à produção doméstica.

"O fator numero um de compra no Brasil  é design e o segundo é conectividade. O Urban foi desenvolvido nesse  sentido", destacou Pablo Di Si.

Com o investimento de R$ 2,4  bilhões, a fábrica de motores de São Carlos (SP) será duplicada e os  virabrequins, antes importados da Alemanha, serão feitos na unidade.

A  maior parte dos recursos, porém, será mesmo destinada a São Bernardo do Campo (SP), onde o New Urban Coupé começa a ser fabricado no ano que  vem e que vai incorporar no conjunto de prensas na estamparia,  quadruplicando a capacidade de produção.

A estratégia da Volkswagen era lançar 20 novos  modelos até 2020. Desse total, 13 já chegaram ao mercado brasileiro.  Julho foi o segundo melhor mês em vendas para a companhia em território nacional (maio segue na liderança e dados de agosto indicam, conforme  apurou o Estadão/Broadcast, que possa ocupar a primeira colocação). A América do Sul responde por 8% das vendas globais do grupo.

O  setor automotivo representa 4% do Produto Interno  Bruto (PIB) e 20% do PIB industrial do Brasil.

João Dória e Henrique Meirelles em visita à sede da Volkswagen, em Wolfsburg, Alemanha. Ao fundo, a silheta do New Urban Coupé. Foto: Governo do Estado de São Paulo
João Dória e Henrique Meirelles em visita à sede da Volkswagen, em Wolfsburg, Alemanha. Ao fundo, a silhueta do New Urban Coupé. Foto: Governo do Estado de São Paulo

Missão Alemanha

O Governador Doria desembarcou na Alemanha na quarta-feira (28) e fica no país até sexta-feira (30). Durante a viagem participa de encontros de  trabalho para atração de mais recursos para o Estado.  

“São Paulo é um estado global e nossas viagens ao exterior têm rendido investimentos importantes, assegurando a geração de emprego e renda,  meta principal do Governador”, afirmou Julio Serson, Secretário de  Relações Internacionais do Governo de São Paulo, que também integra a  comitiva.

Durante a visita à fábrica da Volkswagen, foi apresentado à comitiva paulista o sistema alemão de formação profissional, que concilia prática e teoria no aprendizado de uma profissão. A formação profissional é financiada pelas empresas, que pagam ao aprendiz um salário mensal, e pelo Estado, que assume os custos da escola profissionalizante. Com mais de 100 anos formando a mão-de-obra alemã, o modelo dual de ensino se tornou um produto de exportação.

“Esse é um dos bons segredos da Volkswagen e o programa de treinamento feito aqui é o mesmo que estamos desenvolvendo no Centro  Paula Souza, nas Etecs e Fatecs. Por isso, nosso governo criou os 12 pólos de desenvolvimento econômico. Eles vão permitir a qualificação de mão de obra vocacionada para a atividade da região, seja no setor  automobilístico, de tecelagem, agronegócio, tecnologia. Mão de obra qualificada é mão de obra empregada. É o que a Alemanha já faz e o que  estamos fazendo em São Paulo”, explicou Doria.

Nesta sexta-feira (30), a delegação paulista se reúne com empresários do BDI (Federação das Indústrias Alemãs) em Berlim.

* Com informações da Volkswagen, Governo do Estado de São Paulo, e do Estadão/Broadcast