Em setembro de 2020, os automóveis 100% elétricos e híbridos representaram 25% dos carros novos registrados na Europa, ultrapassando pela primeira vez os emplacamentos de veículos movidos a diesel.

Dados da JATO Dynamics mostraram que a demanda por carros a gasolina e diesel tinha sofrido quedas percentuais de dois dígitos em comparação com setembro de 2019, com o diesel abaixo de 25% do mercado europeu. Os carros a gasolina representavam 47% do mercado, ante 59% no mesmo período de 2019.

Registros de veículos novos em 27 países da União Europeia por tipo de combustível (2011-2020). Fonte/Arte: © JATO Dynamics
Registros de veículos novos em 27 países da União Europeia por tipo de combustível (2011-2020). Fonte/Arte: © JATO Dynamics

Embora os registros de automóveis tenham caído 30% durante os primeiros nove meses de 2020, havia sinais claros de que a União Europeia estava pronta para uma revolução elétrica.

Em dezembro passado, a comercialização de 160.000 carros a diesel, incluindo híbridos a diesel, marcou a primeira vez na história da Europa Ocidental que as vendas de veículos movidos pelo combustível fóssil ficaram abaixo dos elétricos.

O consumidor europeu enfrenta não apenas a disparada dos preços de todos os combustíveis, mas também o aumento dos impostos para o diesel em mercados-chave. Destaca-se ainda que na Alemanha – o maior mercado de automóveis da Europa – o novo governo manifestou intenção de rever os créditos fiscais para o diesel, o que poderá tornar o combustível mais caro do que a gasolina premium, gerando incertezas no valor de revenda dos veículos a diesel.

Em contraste, 176.000 carros movidos exclusivamente por baterias foram vendidos na Europa Ocidental durante o último mês de 2021, crescimento de mais de 6% na comparação intranual, com os preços dos veículos generosamente subsidiados por políticas governamentais e vários lançamentos atraindo novos clientes.

As vendas do segmento foram mais acentuadas no último trimestre do ano passado.

A Tesla se adaptou rapidamente aos gargalos nas cadeias de suprimentos de semicondutores, entregando um recorde de 309.000 unidades, e as montadoras europeias impulsionaram as vendas de veículos elétricos em dezembro para reduzir a emissão de carbono em toda a frota e evitar multas do bloco econômico, depois de priorizar a produção dos modelos mais lucrativos – principalmente SUVs altamente poluentes – durante a crise de suprimentos.

A Volkswagen manteve a liderança na produção de veículos elétricos na Europa Ocidental no ano passado, vendendo mais de 310.000 carros movidos a bateria na região em 2021, de um total de 3,5 milhões.

Baterias

Com o crescente interesse do consumidor, o mercado global de baterias para veículos elétricos cresceu para US$ 27 bilhões em 2021.

Os dez fabricantes com maior participação de mercado estão todos sediados em países asiáticos, principalmente China, Coreia do Sul e Japão.

CATL, LG, Panasonic, BYD e Samsung juntos respondem por mais de 80% da produção global de baterias automotivas.

A chinesa Contemporary Amperex Technology (CATL) ficou em primeiro lugar no ranking de fabricantes de 2021, em parte atendendo a forte demanda doméstica.

Fora da China, a CATL enfrenta forte concorrência da LG e da Panasonic, que ocupam o segundo e terceiro lugar no mundo, respectivamente. Enquanto isso, a Europa e os Estados Unidos ficaram para trás nesse setor industrial estratégico.

* Com informações da JATO Dynamics, Financial Times

Veja também: