Em uma transcrição de uma sessão de perguntas e respostas distribuída à mídia, Soros também criticou a relutância dos Estados membros em melhor trabalhar em conjunto para fornecer assistência financeira aos estados de maior risco do bloco.

Soros disse que se as ações não forem tomadas agora, a UE "poderá não ser capaz de sobreviver aos desafios que atualmente enfrenta". Ele insistiu que sua avaliação sombria não era apenas uma "possibilidade teórica", mas pode realmente se tornar "a realidade trágica".

Embora os países europeus estejam relaxando as medidas de confinamento, há crescente receio de uma profunda crise econômica de longo alcance e longo prazo, consequência da paralisação da maior parte das atividades.

"Não voltaremos para onde estávamos quando a pandemia começou", disse Soros ao Project Syndicate. "Todo o resto está em jogo. Não acho que alguém saiba como o capitalismo evoluirá".

A pandemia revelou profundas rachaduras no bloco, com os estados europeus adotando uma atitude de cada um por si quando a Covid-19 varreu o continente, deixando claro que é uma comunidade apenas econômica.

A falta de unidade e solidariedade levou a Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, a reconhecer que Bruxelas ignorou os pedidos da Itália por ajuda. Depois de se desculpar pela inação, no entanto, ela elogiou a ajuda fornecida à Itália. "No mês passado, a Comissão Europeia não deixou pedra sobre pedra para ajudar a Itália", insistiu.

Aparentemente, Roma não notou a ajuda de von der Leyen que se gabava.

"A Presidente da Comissão, von der Leyen, pediu desculpas hoje à Itália e aos italianos. Ela poderia ter pensado nisso antes. Da Europa, tudo o que estamos recebendo são palavras e fumaça: zero substância", comentou Matteo Salvini.

* Com informações do RT

Veja também: