A empresa doou doses ao governo dos EUA desde que recebeu autorização de uso emergencial em maio e deverá começar a cobrar pelo medicamento antiviral em julho.

Todo medicamento nos Estados Unidos tem dois preços de tabela devido ao sistema de saúde americano. O preço do governo foi determinado com base nos países desenvolvidos com o menor poder de compra para evitar negociações com cada país, o que poderia desacelerar o acesso ao Remdesivir.

Dado o potencial de reduzir custos hospitalares, em cerca de US$ 12 mil por paciente, a Gilead disse que seu preço está "bem abaixo" do valor da droga.

Em abril, o Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas divulgou resultados de seu estudo que mostrou que pacientes com Covid-19 que usaram Remdesivir se recuperaram cerca de quatro dias mais rápido. Contudo, ensaios anteriores não comprovaram a eficácia do medicamento.

O Departamento de Saúde e Serviços Humanos (HHS) anunciou na segunda-feira (29) que o medicamento será distribuído aos hospitais americanos até setembro.

A Gilead afirmou ter firmado acordos com fabricantes de genéricos para fornecer o medicamento a um "custo substancialmente mais baixo" nos países em desenvolvimento.

Em maio, a empresa concedeu licença à farmacêutica indiana Cipla para fabricar e comercializar a versão genérica do Remdesivir, sob o nome Cipremi.

* Com informações da CNBC

Leitura recomendada:

Veja também: