Falando ao programa de Sean Hannity na Fox News, Trump disse que as tecnologias militares sensíveis deixadas para trás durante a evacuação podem rapidamente cair nas mãos erradas.

“Temos bilhões e bilhões de dólares em novos helicópteros BlackHawk, totalmente novos, que a Rússia agora estará examinando, assim como a China e todos os demais a descobrir – porque é o melhor do mundo. Temos tanques do exército novos e todos os tipos de equipamentos, mísseis, temos de tudo”, disse o ex-presidente.

Trump chamou a condução da situação de "o maior constrangimento da história de nosso país" e culpou Biden por não ter tirado os civis americanos a tempo.

Dezenas de milhares de cidadãos americanos e afegãos que ajudaram as forças da coalizão agora poderão, afirmou Trump, ser efetivamente mantidos como reféns pelo Talibã.

O porta-voz do Pentágono, John Kirby, admitiu que o governo não tem ideia de quantos americanos estão retidos no Afeganistão.

Depois de dizer aos americanos para se abrigarem e não irem para o aeroporto, eles foram instruídos na terça-feira para tentarem chegar ao Aeroporto Hamid Karzai em Cabul, com a ressalva que o governo dos Estados Unidos não pode garantir a segurança durante a viagem e estão por conta própria no país.

O aeroporto de Cabul está cercado por forças insurgentes.

A Secretária de Imprensa de Biden, Jen Psaki, disse que não pode oferecer nenhuma garantia de que todos os americanos serão evacuados do Afeganistão.

“Biden nos colocou nesta posição. Ele deveria ter tirado os civis primeiro”, disse Trump. “Então ele deveria ter levado o equipamento militar, porque temos bilhões de dólares um belo equipamento novinho em folha. Retire o equipamento e, em seguida, tire os soldados”.

O Talibã capturou um número ainda não apurado de equipamentos militares, incluindo armas, blindados, artilharia pesada, aviões, drones e helicópteros.

O Conselheiro de Segurança Nacional dos Estados Unidos Jake Sullivan admitiu que "certamente" uma "boa quantidade" do armamento "caiu nas mãos do Talibã".

"Não temos um quadro completo, obviamente, de onde cada item do material de defesa foi parar", disse Sullivan. "Mas, certamente, uma boa quantidade caiu nas mãos do Talibã, e, obviamente, não temos a expectativa de que eles vão entregá-lo para nós no aeroporto".

O grupo também já controla a Força Aérea afegã, criada pelos americanos após a invasão de 2001.

Em entrevista à Reuters, Waheedullah Hashimi, um dos líderes do Talibã, disse nesta quarta-feira (18) esperar o retorno de todos os aviões e helicópteros que pousaram em países vizinhos enquanto o grupo se aproximava de Cabul.

Em um vídeo divulgado no início desta semana, combatentes do Talibã puderam ser vistos exibindo os avançados helicópteros BlackHawk deixados em uma pista do aeroporto de Kandahar, enquanto o exército afegão batia em retirada da região.

O congressista da Florida Mike Waltz, coronel reformado da força especial Green Berets do exército americano e com várias missões no Afeganistão, disse que o Talibã “tem acesso a enormes depósitos de armamento pesado, artilharia, veículos blindados e munições”.

"A Al Qaeda 3.0 emergirá das consequências desta retirada imprudente", criticou Waltz em rede social.

Desde janeiro de 2015, quando os afegãos assumiram as operações de combate, cerca de 57.000 soldados afegãos morreram em confrontos com o Talibã – incluindo mais de 2.600 este ano.

FMI

Um porta-voz do Fundo Monetário Internacional (FMI) disse nesta quarta-feira que a instituição suspendeu as operações com o Afeganistão

“Como sempre acontece, o FMI é guiado pelas opiniões da comunidade internacional. Atualmente, há uma falta de clareza dentro da comunidade internacional em relação ao reconhecimento de um governo no Afeganistão, como consequência do qual o país não pode acessar SDRs ou outros recursos do FMI”.

Atualização 24/08/2021

O presidente russo, Vladimir Putin, criticou os Estados Unidos e seus aliados por deixarem o Afeganistão em um caos que levanta potenciais ameaças à segurança da Rússia e aliados na Ásia Central.

Discursando na reunião desta terça-feira (24) do principal partido do Kremlin, o Rússia Unida, Putin observou que os militantes poderão usar a turbulência para desestabilizar ex-nações soviéticas da Ásia Central que fazem fronteira com o Afeganistão.

“Há o perigo de que terroristas e diferentes grupos que encontraram refúgio no Afeganistão usem o caos deixado por nossos colegas ocidentais e tentem lançar uma expansão em países vizinhos”, disse Putin. “Isso representará uma ameaça direta ao nosso país e aliados”.

Ao mesmo tempo, Putin observou que Moscou aprendeu as lições da guerra soviética de 10 anos no Afeganistão e ficará longe da turbulência no Afeganistão.

“Tiramos as lições necessárias”, disse Putin. “Não temos qualquer intenção de interferir nos assuntos internos do Afeganistão e, além disso, permitir que nossas forças militares sejam arrastadas para o conflito de todos contra todos”.

Ele acrescentou que um possível aumento do tráfico de drogas e a exacerbação dos problemas com a migração também podem representar uma ameaça para a Rússia.

Mísseis

O Ministro da Defesa da Rússia, Sergei Shoigu, expressou preocupação com a apreensão de um grande número de armas pelo Talibã, incluindo sistemas de mísseis de defesa aérea.

Shoigu disse nesta terça-feira que o Talibã capturou centenas de veículos de combate junto com vários aviões de guerra e helicópteros.

Ele expressou preocupação especial com o fato do Talibã obter mais de 100 sistemas de mísseis de defesa aérea portáteis.

Atualização 26/08/2021

Nesta quinta-feira (26), o aeroporto de Cabul foi alvo de duas explosões por homens-bomba do Estado Islâmico. De acordo com o último relatório, as explosões mataram 103 pessoas, incluindo 13 soldados americanos.

Rylee McCollum, 20
Daegan W. Page, 23
Ryan Knauss, 23
Maxton Soviak, 22
Hunter Lopez, 22
Jared M. Schmitz, 20
Nicole L. Gee, 23
Darin T. Hoover, 31
Kareem M. Nikoui, 20
Johanny R. Pichardo, 25
Humberto A. Sanchez, 22
David L. Espinoza, 20
Dylan R. Merola, 20

O Talibã condenou os ataques e prometeu punir os responsáveis.

Atualização 29/08/2021

O artigo What will happen to Afghans now the Taliban are in charge?, publicado neste domingo (29) no britânico The Sunday Times, apresenta o infográfico abaixo, que relaciona alguns dos equipamentos militares possivelmente deixados no Afeganistão ou em países vizinhos – caso da maioria dos aviões Super Tucano da Embraer e dos helicópteros de fabricação americana e russa, levados para bases aéreas do Tajiquistão antes da queda de Cabul.

Infográfico: © The Times e The Sunday Times
Infográfico: © The Sunday Times/rede social

Atualização 30/08/2021

A retirada das forças militares dos EUA foi encerrada nesta segunda-feira (30).

“Os últimos soldados americanos saíram do aeroporto de Cabul e nosso país conseguiu a independência total”, disse o porta-voz do Talibã Zabihullah Mujahid em rede social.

A retirada foi celebrada em Cabul com fogos de artifício e disparos de armas.

O Secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, disse que “menos de 200 americanos” que queriam sair do Afeganistão não foram evacuados a tempo, e garantiu que continuam os esforços para tentar retirá-los nos próximos dias.

“Começou um novo capítulo do envolvimento da América com o Afeganistão. Vamos liderar com a nossa diplomacia. A missão militar terminou”, disse Blinken.

Para o historiador Victor Davis Hanson, o presidente americano pensa que a data marca o "fim" do Afeganistão. "Na verdade, é um novo começo de mais um capítulo na tão desprezada 'guerra ao terror'", escreve Hanson em Our Afghan Nightmare.

"Mas, desta vez, o Talibã é vitorioso. Eles foram reinventados como a nação jihadista mais bem equipada do mundo, desfrutando do prestígio de humilhar a superpotência mundial, e se apropriarão de centenas de bilhões de dólares em investimentos ocidentais em infraestrutura nas principais cidades do Afeganistão".

"A embaixada dos EUA reforçada em Cabul custou cerca de US$ 1 bilhão, comparável à embaixada mais cara da América, em Londres. Agora se tornará uma fortaleza do Talibã", observa Hanson, lembrando que a Base Aérea de Bagram "foi atualizada com centenas de milhões de dólares de investimento americano nos últimos 20 anos, em edifícios, uma nova pista, acomodações de pessoal, instalações de detenção e infraestrutura".

"Bagram permitiu que as forças da coalizão e do Afeganistão desfrutassem de 100% de superioridade aérea sobre todo o país", destaca Hanson.

"Em termos de capacidade tática e operacional, o Talibã pode agora ser a força jihadista mais bem equipada na Ásia e no Oriente Médio", avalia o historiador.

No próximo quarto de século, o Afeganistão poderá se tornar não apenas o paraíso de treinamento mundial para jihadistas, mas um mercado internacional de armas para camarilhas terroristas, prevê o especialista em história militar.

Atualização 07/09/2021

Segundo o Kayhan-London, armamentos das forças armadas do Afeganistão, incluindo tanques e veículos blindados fornecidos pelos EUA, estão sendo transferidos para o Irã. Não está claro se o Talibã ou militares afegãos estão entregando o armamento, ou se é ação de intermediários.

Leitura recomendada:

Veja também: