Copenhaguen planejava doar blindados Piranha III para a Ucrânia para uso no conflito com a Rússia.

A Secretaria de Estado para Assuntos Econômicos da Suiça, no entanto, rejeitou o pedido para enviar os veículos para Kiev, informou a SRF nesta quarta-feira (1).

A Dinamarca anteriormente se comprometeu a não reexportar armas suíças para outros países sem a aprovação de Berna.

Berna disse que sua neutralidade não permite o fornecimento de armas para uso em zonas de conflito.

Jean-Marc Rickli, chefe de Riscos Globais e Emergentes do Centro de Política de Segurança de Genebra, acredita que o governo é legalmente justificado em proibir a reexportação de armas suíças para a Ucrânia. Dada a neutralidade da Suíça, "concordar com a exportação seria uma violação do direito internacional, bem como do direito suíço".

Na mesma base, a Suíça vetou anteriormente o fornecimento para Kiev de munição suíça usada em sistemas antiaéreos alemães Gepard.

Até recentemente, a Alemanha também não estava disposta a fornecer armas para zonas de conflito, uma decisão de 1945 que mudou logo após a crise da Ucrânia.

“A invasão russa da Ucrânia marca um ponto de virada. Ameaça toda a nossa ordem do pós-guerra”, disse o chanceler alemão Olaf Scholz no final de fevereiro.

Na época, a Alemanha concordou em vender sistemas antiaéreos Gepard para a Ucrânia.

Atualização 02/06/2022

O Ministério da Defesa alemão disse na quarta-feira (1) que não poderia informar detalhes, por não dispôr da arma, sobre a promessa do Chanceler Olaf Scholz de fornecer à Ucrânia um certo sistema de defesa aérea.

A arma em questão, IRIS-T, pode ser utilizada como um míssil ar-ar de curto alcance, ou um sistema de defesa aérea de curto ou médio alcance.

Quando perguntado qual sistema Berlim planeja enviar a Kiev, o porta-voz do Ministério da Defesa, o Capitão da Marinha David Helmbold, respondeu que "esta questão deve ser dirigida à indústria [de defesa], uma vez que não temos esses sistemas em nosso serviço". Ele acrescentou que não poderia esclarecer a questão, pois a Bundeswehr (Defesa Federal) não possui tais sistemas em seu arsenal.

Na Alemanha, o IRIS-T é produzido pelo fabricante de armas Diehl, que oferece mísseis ar-ar e sistemas terrestres.

Os únicos sistemas IRIS-T que a Bundeswehr tem em seu arsenal são mísseis ar-ar montados em seus caças Eurofighter e Tornado

Em relação a possíveis entregas à Ucrânia, Helmbold disse que quando Scholz falou sobre o sistema de defesa aérea "mais moderno" da Alemanha, ele pode não ter necessariamente significado sistemas na posse dos militares alemães.

O comentário veio poucas horas depois de Scholz dizer ao parlamento que seu governo planejava enviar sistemas mais avançados para a Ucrânia, incluindo um sistema IRIS-T e radares capazes de detectar fogo de artilharia e identificar a localização da origem.

Atualização 02/06/2022

Washington revelou os detalhes de seu 11º pacote de assistência militar à Ucrânia no valor de 700 milhões de dólares. O ponto central do pacote é a decisão de equipar Kiev com o HIMARS, um sistema de alta mobilidade de lançamento de foguetes com alcance para atingir alvos na Rússia.

O Pentágono disse que quatro sistemas entrarão em serviço o mais rápido possível, e já foram enviados para a Europa com antecedência – o treinamento pode levar até três semanas. Os sistemas podem atingir alvos a uma distância de até 300 km.

O presidente da American University em Moscou, Edward Lozansky, avalia que a decisão de enviar os sistemas de foguetes para a Ucrânia pode ter "consequências catastróficas", e "o mundo está esperando uma resposta russa com o fôlego curto". Em entrevista ao jornal diário russo Kommersant, Lozansky chamou as garantias de Kiev de não usar os sistemas contra alvos na Rússia de "risíveis", lembrando que o presidente ucraniano quebra repetidamente suas promessas.

Atualização 15/06/2022

A Alemanha fornecerá à Ucrânia três sistemas de lançamento múltiplo de foguetes nos próximos meses, confirmou a Ministra da Defesa Christine Lambrecht à margem de uma reunião da OTAN nesta quarta-feira (15). O número caiu de quatro para três por falta de munições, de acordo com o Business Insider.

Os sistemas Marte-II virão dos arsenais da Bundeswehr, as forças armadas alemãs, disse Lambrecht.

O Business Insider relatou que os lançadores não conseguem disparar uma parte significativa de sua munição devido à falta de atualizações de software, planejadas para o final deste ano. A entrega só foi possível porque os EUA concordaram em fornecer munição adicional. O revés técnico significa que menos da metade dos sistemas Mars-II possuídos pela Bundeswehr estão operacionais.

O Mars-II é uma modificação do M270 MLRS fabricado nos EUA. A Bundeswehr diz em seu site que os lançadores Mars-II são capazes de atingir alvos “com precisão” a uma distância de até 84 quilômetros, embora o fabricante do armamento KMW especifique um alcance de 70 quilômetros.

No início de junho, a edição alemã do Business Insider informou que Berlim teria que superar vários obstáculos antes de entregar grande parte do armamento prometido a Kiev.

Os sistemas de defesa aérea IRIS-T SL  não chegarão antes do final do ano, afirmou o site, e um acordo de armas com a Grécia pode ser desfeito por uma potencial escalada de tensões entre Atenas e a Turquia.

Veja também: