"A principal prioridade do governo é proteger a população. Ele está respondendo aos desenvolvimentos mais recentes da epidemia de coronavírus e classificou a situação na Suíça como 'especial' em termos da Lei de Epidemias", afirmou o governo nesta sexta-feira (28).

A Lei de Epidemias, de 2016, limita severamente os poderes das 26 autoridades cantonais, principalmente a das responsáveis por questões de saúde.

"No momento, a situação ainda está sob controle, mas pode mudar rapidamente", alertou o Ministro do Interior, Alain Berset, em entrevista coletiva na sexta-feira. "O governo está ciente de que as medidas terão um impacto significativo na vida pública e na economia".

Muitas montadoras já haviam pedido aos funcionários de países infectados que evitassem viajar para Genebra. No entanto, os organizadores adiaram o cancelamento do evento, com a maioria dos estandes já construídos e carros prontos para serem remetidos de várias partes do mundo para o gigantesco centro de exposições ao lado do aeroporto da cidade.

Não apenas os grandes eventos estão proibidos. A realização de eventos públicos ou privados que atraiam menos de 1.000 pessoas estão sujeitos à aprovação das autoridades cantonais.

Heidi Hanselmann, presidente dos diretores de saúde cantonais, disse que os cantões implementarão as medidas nacionais. Outras medidas, incluindo hospitais e escolas públicas, permanecerão uma responsabilidade cantonal no momento.

Atualmente, a Suíça tem 15 casos de infecções por corononavírus e cerca de 100 pessoas foram colocadas em quarentena.

Acredita-se que haja um grande número de casos não registrados, ao contrário da situação na Itália e na Alemanha.

O primeiro caso confirmado de coronavírus na Suíça foi anunciado na terça-feira. Desde então, o número de pessoas infectadas vem crescendo ao longo da semana.

"Os números devem aumentar nos próximos dias", disse Berset.

* Com informações da SwissInfo, The Guardian

Veja também: