O vice-presidente Hamilton Mourão, disse hoje (19), durante palestra para empresários na capital paulista, que o crescimento econômico do País passa pela reorganização e ajuste das contas públicas, começando pela reforma da Previdência.

“Todos estão conscientes de que o sistema previdenciário  que nós tínhamos era uma pirâmide, na qual nós que somos mais velhos  vamos receber e os mais novos vão trabalhar até o tumulo e não vai ter aposentadoria para eles”.

Segundo Mourão, a reforma da Previdência vai dar maior previsibilidade ao orçamento da União.

Como o teto de gastos é corrigido com base na inflação, e as despesas previdenciárias e benefícios tem crescimento maior, a diferença precisa ser compensada com a continua redução de outros desembolsos, incluindo despesas obrigatórias, ano após ano. Contudo, o vice-presidente ressaltou que o teto de gastos é a melhor forma de conter o desequilíbrio fiscal.

“O Governo não fabrica dinheiro. Estamos em um momento crucial de manter nossa visão ortodoxa da solução do problema fiscal do País", disse aos empresários.

Mourão defendeu que para aumentar a produtividade no País é preciso conceder e privatizar, mas para isso é necessário criar um ambiente estável de negócios, com segurança jurídica e capacidade de atrair  investidores.  

“Nosso sistema é caótico. A quantidade de legislação e impostos é absurda. Ambos são a loucura de qualquer empresário, prestador de serviço e pessoa que está trabalhando e produzindo. Precisamos reorganizar e, em uma segunda fase, baixar as alíquotas. Hoje pagamos 33% de imposto. Acho que todos estariam  satisfeitos se estivéssemos pagando e o governo estivesse dando retorno, o que não é o caso".

  • Com informações da Agência Brasil

Veja também: