Na série sem ajuste sazonal, frente a dezembro de 2019 o setor recuou -3,3%, sua décima taxa negativa seguida nessa comparação. Houve queda em três das cinco atividades. Os serviços prestados às famílias (-25,4%) exerceram a influência negativa mais importante sobre o volume total de serviços, pressionados, em grande medida, pela queda nas receitas das empresas que atuam nos ramos de restaurantes; hotéis; serviços de bufê; e atividades de condicionamento físico.

Os demais recuos em dezembro vieram dos serviços profissionais, administrativos e complementares (-7,4%) e dos transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (-2,1%), explicados, principalmente, pela queda de receita das empresas de gestão de ativos intangíveis; agências de viagens; administração de programas de fidelidade; soluções de pagamentos eletrônicos; organização, promoção e gestão de feiras, congressos e convenções; e atividades técnicas relacionadas à arquitetura e à engenharia, no primeiro ramo; e de transporte aéreo, rodoviário coletivo e metroferroviário (todos de passageiros); e de correio nacional.

Em contrapartida, as contribuições positivas nesse mês vieram de outros serviços (8,6%) e de serviços de informação e comunicação (1,5%), impulsionados, sobretudo, pelo aumento de receita das empresas pertencentes aos ramos de corretoras de títulos e valores mobiliários; recuperação de materiais plásticos; administração de bolsas e mercados de balcão organizados; consultoria em investimentos financeiros; e corretores e agentes de seguros, de previdência complementar e de saúde, no primeiro setor; e de portais, provedores de conteúdo e ferramentas de busca na Internet; e atividades de TV aberta, no último.

A taxa dos últimos 12 meses recuou -7,8% em dezembro de 2020, mantendo a trajetória descendente iniciada em janeiro de 2020.

Atividades Volume (%)
2020/2019
Total -7,8
1. Serviços prestados às famílias -35,6
1.1 Serviços de alojamento e alimentação -36,8
1.2 Outros serviços prestados às famílias -29,0
2. Serviços de informação e comunicação -1,6
2.1 Serviços de tecnologia da informação e comunicação (TIC) +0,7
2.1.1 Telecomunicações -3,5
2.1.2 Serviços de tecnologia da informação +8,3
2.2 Serviços audiovisuais -17,7
3. Serviços profissionais, administrativos e complementares -11,4
3.1 Serviços técnico-profissionais -5,4
3.2 Serviços administrativos e complementares -13,5
4. Transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio -7,7
4.1 Transporte terrestre -11,5
4.2 Transporte aquaviário +10,4
4.3 Transporte aéreo -36,9
4.4 Armazenagem, serviços auxiliares aos transportes e correio +2,8
5. Outros serviços +6,7
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Indústria

Atividades turísticas

Em 2020, o agregado especial de atividades turísticas caiu -36,7% frente a 2019, pressionado pela queda na receita de empresas que atuam nos ramos de restaurantes; transporte aéreo; hotéis; rodoviário coletivo de passageiros; agências de viagens; serviços de bufê; e locação de automóveis.

Todas as 12 unidades da federação pesquisadas registraram taxas negativas, com destaque para São Paulo (-40%), seguido por Rio de Janeiro (-31%), Minas Gerais (-35%), Bahia (-37%) e Rio Grande do Sul (-43%).

* Com informações do IBGE

Veja também: