O Vice-ministro do Comércio russo Vasily Shpak disse que o limite das exportações de gases nobres servirá como uma oportunidade para "reorganizar as cadeias que foram quebradas e construir novas".

Até 31 de dezembro, qualquer exportação de gases nobres exigirá permissão especial do governo russo.

"Planejamos aumentar nossa capacidade de produção [de gases nobres] em um futuro próximo", disse Shpak, vinculando a negociações comerciais "bem-sucedidas" com outros países e, implicitamente, flexibilização das sanções.

A Ucrânia fornecia metade do neon do mundo através de duas empresas — Ingas e Cryoin — ambas fechadas em março. O neon é usado em lasers durante a litografia, parte do processo de fabricação de chips onde padrões são esculpidos em silício.

Sanções ocidentais

Grandes fabricantes mundiais de microprocessadores e semicondutores cancelaram os embarques para a Rússia, como as americanas Intel e AMD, e a maior produtora terceirizada de semicondutores do mundo, a taiwanesa TSMC, interrompeu a produção dos microprocessadores russos Baikal e Elbrus, depois que os EUA, Reino Unido e Europa impuseram controles de exportação em produtos usando chips projetados ou fabricados nos EUA ou Europa.

Além de impedir o acesso a chips estrangeiros, o governo dos EUA atacou a indústria russa de chips, impondo sanções contra a Mikron, o principal fabricante.

Apesar de ter seus próprios fabricantes de chips, a Rússia é fortemente dependente das importações para atender às suas necessidades.

Retaliação russa

Em março, Oleg Izumrudov, chefe do Consórcio de Desenvolvedores Russos de Sistemas de Armazenamento de Dados (RosSHD), disse que uma retaliação russa no fornecimento de componentes de produção causaria uma aguda escassez de chips em todo o mundo.

"Em comparação, a situação de interrupção do fornecimento no final de 2021 parecerá leve", disse Izumrudov. Potenciais movimentos de retaliação russa "deixariam quase todo o mundo sem microeletrônica".

Segundo o especialista, a Rússia é responsável por 80% do mercado de substratos de safira – placas feitas de mineral artificial, que são usadas em "todos os processadores do mundo", incluindo os fabricados pela AMD e Intel.

"Nossa posição é ainda mais forte em química especial de gravação de chips usando componentes ultra-puros. A Rússia é responsável por 100% do fornecimento mundial de vários elementos de terras raras usados para esses fins", afirma Izumrudov.

Segundo ele, os componentes russos para fabricação de semicondutores seriam quase impossíveis de substituir.

"Falar sobre sanções contra a microeletrônica russa é impossível sem falar de microeletrônica global ... Não será possível substituir abruptamente [a Rússia] por locais alternativos de produção de substratos, e não há como substituir terras raras da Rússia", afirma Izumrudov.

Ele diz que o prazo para garantir a qualidade dos substratos de safira, necessários para microchips, por exemplo, é de 30 anos de produção contínua. As fábricas nas quais podem ser feitas devem estar localizadas em condições de atividade sísmica quase zero, o que significa que os produtos de empresas semelhantes aos da Rússia na Califórnia ou Taiwan sismicamente ativos "são visivelmente inferiores em qualidade e volume ao nível exigido na indústria".

Veja também: