Uma pesquisa mais ampla da hotelaria carioca será divulgada na quarta-feira (29) pelo Sindicato dos Meios de Hospedagem do Município do Rio de Janeiro.

O último levantamento do sindicato, dia 17 de novembro, mostrou 86% de reservas para a noite de passagem de ano. Ipanema e Leblon lideravam o ranking das regiões mais procuradas com 92%, seguidas por Leme e Copacabana (88%), Barra da Tijuca e São Conrado (86%), Flamengo e Botafogo (84%) e o Centro (77%).

No último Réveillon, a ocupação dos hotéis do Rio de Janeiro, entre os dias 31 de dezembro de 2020 e 2 de janeiro, registrou média de 57% – nos estabelecimentos situados no Leme e em Copacabana a ocupação média caiu para 46%.

Neste ano, os shows continuam suspensos, mas a população poderá acompanhar a queima de fogos em dez pontos da cidade.

O prefeito proibiu a entrada na cidade de ônibus e vans fretados a partir de meia-noite do dia 30 de dezembro.  Além disso, as estações de metrô estarão fechadas das 20h de 31 de dezembro às 7h de 1º de janeiro, e o transporte público não ganhará reforço. O estacionamento nas ruas de Copacabana será proibido.

Na semana passada, a Secretaria Municipal de Saúde confirmou o primeiro caso importado da variante Ômicron, cujos riscos incertos têm preocupado autoridades sanitárias em todo o mundo. A cidade enfrenta também um surto de gripe.

Atualização 29/12/2021

Novo levantamento do Sindicato dos Meios de Hospedagem do Município do Rio de Janeiro mostrou 92% de ocupação da rede hoteleira do Rio, a quatro dias do Réveillon. A cidade receberá majoritariamente turistas nacionais, principalmente dos Estados de São Paulo, Minas Gerais e Goiás.

Veja também: