Atualização 15/02 -   A Agência Coreana de Controle e Prevenção de Doenças (KDCA) anunciou nesta segunda-feira (15) que não administrará a vacina da AstraZeneca / Oxford em indivíduos com mais de 65 anos devido à falta de dados.

A decisão marca uma reversão da declaração da semana passada do Vice-Ministro da Saúde sul-coreano Kim Gang-lip, que disse que maiores de 65 anos receberiam a vacina da AstraZeneca, a primeira a ser aprovada no país. A incapacidade de ser usada em maiores de 65 anos leva o programa de vacinação sul-coreano ao caos, já que profissionais de saúde e residentes idosos são os primeiros na fila.

Recentemente, Áustria e Portugal também decidiram não administrar a vacina da AstraZeneca / Oxford em pessoas com mais de 65 anos, somando 11 países (Suiça, África do Sul, Eswatini [Suazilândia], Polônia, Suécia, Alemanha, França, Itália, Áustria, Portugal e Coreia do Sul) com restrição total ou parcial ao uso do imunizante britânico.

O NHS (National Health Service), sistema britânico de saúde pública, está planejando uma campanha em massa de vacinação de reforço contra novas variantes do coronavírus já no outono, que se tornaria um esforço anual para prevenir infecções enquanto o vírus SARS-CoV-2 continuar mutando.

Os gestores do NHS acreditam que as inoculações podem ser aplicadas junto com as vacinas anuais contra a gripe sazonal oferecidas para maiores de 65 anos, e para a qual a elegibilidade foi estendida para os maiores de 50 anos no ano passado.

Redistribuição de vacinas

A Organização Mundial de Saúde (OMS) disse que o Reino Unido tem um imperativo moral de começar a distribuir parte de seu estoque de vacinas assim que os maiores de 50 anos forem imunizados, uma meta que o governo britânico pretende atingir até maio, embora muitos dos pacientes extremamente vulneráveis do ponto de vista clínico terão que ser inoculados em casa.

Os países de alta renda adquiriram 4,2 bilhões de doses de vacinas contra o coronavírus, o dobro do total dos países mais populosos de média e baixa renda.

Matt Hancock, Secretário de Saúde, disse na semana passada que o governo quer proteger todos os cidadãos do Reino Unido e depois “fazer a nossa parte para garantir que o mundo inteiro receba a injeção”.

Fonte: PHE (Last updated: Feb 07 with data from Feb 06). Arte: © The Telegraph
Fonte: PHE (Last updated: Feb 07 with data from Feb 06). Arte: © The Telegraph

Os ministros sugeriram que poderiam começar a compartilhar o estoque de vacinas do Reino Unido com outros países no final do ano, mas não assumiram compromisso específico.

O ritmo das vacinas pode diminuir à medida que o NHS começar a manter reservas para administrar uma segunda dose.

O governo espera ter dado a primeira dose para todos os maiores de 70 anos, profissionais de saúde e os mais vulneráveis até meados de fevereiro e disse que mais trabalhadores do setor público – incluindo professores – receberão o imunizante assim que os grupos prioritários iniciais tenham sido vacinados.

* Com informações do Financial Times, The Telegraph

Veja também: