O Reino Unido decidiu ampliar em 40 milhões de doses o pedido inicial da vacina candidata da Valneva (VLA2001), elevando a encomenda para 100 milhões.

Se aprovada nos ensaios clínicos, 60 milhões de doses poderão começar a ser entregues ao Reino Unido no segundo semestre de 2021, com os 40 milhões restantes sendo entregues em 2022.

O país poderá ainda solicitar mais 90 milhões de doses entre 2023 e 2025.

Embora a vacina ainda esteja no estágio inicial, a empresa já iniciou a produção comercial, disse o CEO da Valneva, Thomas Lingelbach, em um comunicado.

"Estamos muito satisfeitos em estender nosso compromisso de fornecimento ao Reino Unido. Assumindo o sucesso, acreditamos que nossa vacina, que começou a produção comercial em nossa unidade na Escócia, pode dar uma grande contribuição para os esforços de vacinação do Reino Unido ainda este ano, bem como em 2022".

O Secretário de Saúde Matt Hancock disse que se a vacina for autorizada pelo órgão regulador, "será lançada nas quatro nações o mais rápido possível".

Clive Dix, presidente interino da Força-Tarefa de Vacinas do governo Boris Johnson, acrescentou que a aquisição também proporcionará flexibilidade futura, caso seja necessário revacinar a população do Reino Unido.

“A fábrica da Valneva na Escócia já está instalada e funcionando, pronta para fornecer sua vacina promissora assim que ela se mostrar segura e eficaz e for aprovada pela MHRA. Para melhor garantir que temos vacinas candidatas aprovadas o suficiente para garantir a cobertura máxima da população do Reino Unido, a Força-Tarefa de Vacinas investiu em sete das vacinas mais promissoras. Os outros 40 milhões de doses garantidos por meio do acordo de hoje (1º) reforçam significativamente nosso portfólio e nos dão flexibilidade futura, caso precisemos revacinar qualquer parte da população do Reino Unido", disse Dix em comunicado à imprensa.

A Valneva tem operações na Áustria, Suécia, Reino Unido, França, Canadá e EUA.

VLA2001

A vacina candidata VLA2001 da Valneva consiste em partículas de vírus inteiros inativadas de SARS-CoV-2 com alta densidade de proteína S, em combinação com dois adjuvantes, alúmen e CpG 1018. A combinação induziu níveis mais elevados de anticorpos em experimentos pré-clínicos do que formulações apenas de alúmen e mostrou uma mudança da resposta imune. A VLA2001 é produzida na plataforma Vero-cell da Valneva. O processo, que já foi ampliado para a escala industrial, inclui a inativação com BPL para preservar a estrutura nativa da proteína S. CpG 1018, fornecido pela Dynavax, é um componente da vacina HEPLISAV-B, aprovada pelo FDA, e recebeu CHMP positivo em dezembro de 2020. Espera-se que a VLA2001 esteja em conformidade com os requisitos padrão da cadeia de frio (2º a 8º Celsius).

* Com informações do RT, Valneva

Veja também: