Como ocorre em vários países, as estatísticas oficiais não são medidas do tamanho da pandemia, mas da capacidade do sistema de saúde lidar com o problema.

Atualmente a Alemanha está realizando cerca de 350.000 testes de coronavírus por semana, muito mais do que qualquer outro país europeu.

A contagem diária de novos casos de coronavírus começou a declinar, mas os números recentes podem ser o resultado de menos testes durante o feriado da Páscoa, observou Lothar Wieler, Presidente do Instituto Robert Koch (RKI), o órgão público responsável pela resposta do país a doenças infecciosas.

"Portanto, ainda não podemos avaliar conclusivamente se o número de casos está realmente diminuindo", argumentou Wieler, acrescentando que os alemães não devem pensar que os perigos apresentados pelo vírus já passaram.

O alerta ocorre quando o governo central alemão considera levantar parcialmente as medidas de contenção nacional após 19 de abril.

A Academia Nacional de Ciências da Alemanha defendeu a redução das restrições, aconselhando que seria seguro reabrir escolas, lojas e restaurantes se a população aderir ao distanciamento social e usar máscaras.

Testes

Os virologistas alemães responderam rapidamente ao desenvolvimento de um teste de diagnóstico para SARS-CoV-2.

Em 16 de janeiro, antes da Organização Mundial da Saúde (OMS) admitir que o novo coronavírus poderia ser transmitido de um ser humano para outro, os cientistas alemães anunciaram ter produzido um teste de diagnóstico.

Foi um dos primeiros meios confiáveis de detectar o vírus.

Em 20 de março, os laboratórios alemães já eram capazes de realizar até 160.000 testes de PCR por semana. Agora podem ser realizados até 500.000 testes.

O suprimento não é ilimitado, mas a Alemanha abriga uma das principais indústrias de biotecnologia do mundo, com importantes pólos em Rhine-Neckar Triangle, Cologne-Düsseldorf, Berlin-Brandenburg e Munich, com capacidade de mobilizar rapidamente quantidades relativamente grandes de reagentes e materiais biotecnológicos necessários para seus testes em massa.

RKI

No centro dos esforços do governo federal alemão está o Instituto Robert Koch, a instituição científica central do país no campo da biomedicina. A missão do RKI é focada especificamente na “identificação, vigilância e prevenção de doenças, especialmente doenças infecciosas”.

O RKI foi criado em 1995, de acordo com o Ministério Federal da Saúde da Alemanha, para fornecer um “sistema de microbiologia em saúde pública”.

O objetivo geral desse sistema é melhorar a eficiência da proteção contra infecções, aconselhando as autoridades sobre possíveis medidas para complementar a vigilância de doenças infecciosas, monitorando patógenos selecionados que têm alta relevância para a saúde pública.

O RKI não é uma Autoridade de Saúde Pública abrangente, mas um centro de coordenação de uma rede de laboratórios públicos, privados e acadêmicos e instalações de pesquisa para cooperar na identificação de soluções para doenças que ameaçam a saúde pública. Sua rede é composta por 20 Centros Nacionais de Referência e 38 Laboratórios Consultores, espalhados pelos estados federais, com mais um laboratório de consultoria binacional na Áustria.

As atividades da RKI são diferenciadas das políticas de saúde pública, que na Alemanha são altamente descentralizadas. Isso ocorre porque a constituição federal da Alemanha garante que determinadas áreas políticas - como saúde, educação e assuntos culturais - estejam sob a jurisdição dos estados (os Länder) e não do governo central.

Isso significa que não há uma autoridade de saúde pública, mas aproximadamente 400 autoridades diferentes em toda a República Federal.

Esses órgãos mantêm controle significativo sobre sua própria capacidade de regular e promover legalmente os serviços de saúde, a higiene pública e a prevenção e controle de doenças. Na prática, os estados freqüentemente cooperam para fornecer certos padrões e níveis de qualidade comuns em saúde, mas o poder de gerenciar políticas permanece com as legislaturas estaduais.

* Com informações do RT, Reaction

Leitura recomendada:

Veja também: