A sanção, que proíbe explicitamente a exportação de produtos e matérias-primas, é uma resposta ao que presidente russo Vladimir Putin elencou como ações ilegais dos Estados Unidos e seus aliados destinados a privar "a Federação Russa, cidadãos da Federação Russa e entidades jurídicas russas de direitos de propriedade" ou restringir seus direitos de propriedade.

A agência de notícias Interfax informou que foram sancionadas a Gazprom Germania e 29 subsidiárias da Gazprom Germania na Suíça, Hungria, Grã-Bretanha, França, Bulgária, região de Benelux, Estados Unidos, Suíça, Romênia e Cingapura.

As operações da Gazprom Germania, baseadas na produção russa de gás, cobrem toda a cadeia de valor do gás, desde o transporte por gasodutos até o armazenamento e distribuição para atacadistas e varejistas.

Essas operações incluem a maior instalação de armazenamento de gás da Alemanha em Rehden, com 4 bilhões de metros cúbicos de capacidade.

Foto: © Antjeverena
Foto: © Antjeverena

O governo alemão tomou a administração da empresa devido à "importância [da Gazprom] para o fornecimento" de energia.

Habeck disse que o confisco da Gazprom Germania é uma das ações do governo em prol da segurança energética.

"O governo está fazendo o que é necessário para garantir a segurança do abastecimento na Alemanha e isso inclui não expor as infraestruturas de energia a decisões arbitrárias do Kremlin", disse o ministro na época.

A Wingas, subsidiária da Gazprom Germania e uma das maiores operadoras de gás da Alemanha, disse após a apropriação pelo regulador alemão que continuaria operando sob os parâmetros alterados.

Veja também: