No acumulado de janeiro a novembro, frente a igual período de 2019, o setor industrial registrou redução de -5,5%, com resultados negativos em 20 dos 26 ramos, 59 dos 79 grupos e 63% dos 805 produtos pesquisados.

Entre as atividades, Veículos automotores, reboques e carrocerias (-32%) exerceu a influência negativa mais significativa sobre a indústria, pressionada pelos itens automóveis, caminhão-trator para reboques e semirreboques, caminhões e autopeças.

Outras contribuições negativas vieram dos ramos de Confecção de artigos do vestuário e acessórios (-26%), Metalurgia (-10%), Indústrias extrativas (-3%), Couro, artigos para viagem e calçados (-22%), Máquinas e equipamentos (-7%), Outros equipamentos de transporte (-30%), Impressão e reprodução de gravações (-37%), Manutenção, reparação e instalação de máquinas e equipamentos (-17%), Produtos diversos (-18%), Produtos de borracha e de material plástico (-4%), Produtos têxteis (-9%) e Produtos de minerais não-metálicos (-4%).

Entre as grandes categorias econômicas, destacam-se as quedas em Bens de consumo duráveis (-22%), pressionada pela redução na fabricação de automóveis (-38%), e Bens de capital (-13%), por conta de bens de capital para equipamentos de transporte (-26%) e para fins industriais (-8%).

Os setores de Bens de consumo semi e não-duráveis (-6,5%) e de Bens intermediários (-1,8%) também acumularam taxas negativas no ano.

Indicadores da Produção Industrial por Grandes Categorias Econômicas
Brasil - Novembro de 2020
Grandes Categorias Econômicas Variação (%)
Novembro 2019 Acumulado Jan-Nov Acumulado 12 meses
Bens de Capital +12,8 -13,1 -12,6
Bens Intermediários +3,6 -1,8 -1,9
Bens de Consumo -0,1 -9,9 -9,1
Duráveis +2,7 -22,0 -20,5
Semiduráveis e não Duráveis -0,9 -6,5 -5,9
Indústria Geral +2,8 -5,5 -5,2
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Indústria

Entre as nove atividades que tiveram queda em novembro na comparação com outubro, os principais impactos vieram de Produtos alimentícios (-3%), que acumula redução de -6% em dois meses de queda, eliminando, dessa forma, a alta de 4% registrada entre julho e setembro; as Indústrias extrativas (-2,4%), com o terceiro mês seguido de queda na produção, período em que somou perda de -10%; e Produtos farmoquímicos e farmacêuticos (-10%), que interrompeu dois meses de resultados positivos, quando acumulou expansão de +11%.

Na comparação com novembro de 2019, entre as dez atividades que apontaram redução na produção, o ramo de Indústrias extrativas (-7,5%) exerceu a influência negativa mais significativa na média da indústria, pressionado, em grande medida, pelos itens óleos brutos de petróleo e minérios de ferro pelotizados ou sinterizados.

Destacam-se também as contribuições negativas de Produtos farmoquímicos e farmacêuticos (-9%), Impressão e reprodução de gravações (-26%), Outros equipamentos de transporte (-18%), Manutenção, reparação e instalação de máquinas e equipamentos (-11%) e Veículos automotores, reboques e carrocerias (-1%).

 * Com informações do IBGE

Veja também: