Segundo a Pesquisa Industrial Mensal - Produção Física Regional, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira (8), frente a igual mês do ano anterior, a produção industrial de agosto registrou resultados negativos no Espírito Santo (-14,7%), Paraná (-7,6%), Bahia (-6,1%), Mato Grosso (-4,4%), São Paulo (-4,1%), Pará (-1,8%), Rio Grande do Sul (-1,6%), Santa Catarina (-1,3%) e Minas Gerais (-0,1%).

Pernambuco (+10,0%), Ceará (+5,3%), Rio de Janeiro (+4,0%), Goiás (+3,1%), Região Nordeste (+2,7%) e Amazonas (+0,7%) são os cinco locais pesquisados onde a produção industrial mensal superou o níveis de agosto de 2019.

Local Variação da Produção Industrial (%)
Agosto /
Jul 2020*
Agosto /
Ago 2019
Acumulado
Jan-Ago 12 Meses
Brasil +3,2 -2,7 -8,6 -5,7
Espírito Santo -2,7 -14,7 -18,9 -19,5
Amazonas +4,9 +0,7 -13,7 -5,7
Ceará +5,7 +5,3 -14,8 -9,0
Rio Grande do Sul +5,2 -1,6 -12,4 -9,1
Santa Catarina +6,0 -1,3 -11,9 -7,9
São Paulo +4,8 -4,1 -11,1 -7,0
Paraná +2,9 -7,6 -8,5 -4,5
Minas Gerais -0,4 -0,1 -7,9 -7,6
Bahia +0,9 -6,1 -7,7 -5,8
Região Nordeste +3,0 +2,7 -6,9 -4,5
Mato Grosso +2,6 -4,4 -2,3 -2,2
Pará +9,8 -1,8 -1,9 -1,8
Pernambuco -3,9 +10,0 +0,9 -0,3
Goiás +1,2 +3,1 +1,8 +2,8
Rio de Janeiro +3,3 +4,0 +2,4 +4,1
* Série com Ajuste Sazonal
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Indústria
Em bases quadrimestrais, a produção do setor industrial brasileiro recuou -8,9% no segundo quadrimestre de 2020, queda mais elevada desde o primeiro quadrimestre de 2016 (-10,2%), mantendo o comportamento negativo desde o último quadrimestre de 2018 (-1,6%).

As quedas da produção quadrimestral foram observadas em oito dos 15 locais pesquisados, com destaque para Pará (de +5,0% para -6,9%), Bahia (de -2,9% para -12,3%), Espírito Santo (de -15,2% para -22,6%), Rio de Janeiro (de +6,1% para -1,0%), Paraná (de -6,3% para -10,4%) e Região Nordeste (de -5,3% para -8,4%).

No acumulado do ano, frente a 2019, o recuo nacional é de -8,6%. Houve redução da produção no Espírito Santo (-18,9%), Ceará (-14,8%), Amazonas (-13,7%), Rio Grande do Sul (-12,4%), Santa Catarina (-11,9%), São Paulo (-11,1%), Paraná (-8,5%), Minas Gerais (-7,9%), Bahia (-7,7%), Região Nordeste (-6,9%), Mato Grosso (-2,3%) e Pará (-1,9%). Os três locais em alta foram Rio de Janeiro (+2,4%), Goiás (+1,8%) e Pernambuco (+0,9%).

O acumulado nos últimos 12 meses recuou -5,7% em agosto e repetiu o mau resultado de julho, maior queda desde dezembro de 2016 (-6,4%). Em 13 dos 15 locais pesquisados houve taxas negativas em agosto de 2020, com somente cinco destas quedas menores do que as de julho.

* Com informações do IBGE

Veja também:

Leitura recomendada: