“Não estamos acusando ninguém, mas há indícios fortes de sabotagem que  nos levaram a acionar a Polícia Federal. Não é nosso papel investigar”,  explicou Weintraub. Segundo ele, a população não será prejudicada pelos  ataques. “Qualquer serviço que for suspenso terá prazo ampliado”,  assegurou em entrevista coletiva.

O Programa Universidade para Todos (ProUni) e o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) são os principais sistemas sob ataque. Segundo técnicos do Ministério, os dois serviços estão intermitentes desde a  última segunda-feira (5). Outro serviço afetado é o Sistema Presença,  utilizado para o pagamento dos benefícios do Bolsa Família. O MEC também apontou indisponibilidades no funcionamento do SiMEC, um sistema interno da pasta.

Durante a coletiva, Abraham Weintraub foi questionado sobre possíveis  cortes de recursos para algumas áreas atendidas pela pasta. Ele  reafirmou que não haverá cortes e sim contingenciamento de verbas.

“Estamos administrando uma situação de crise estabelecida pelos governos passados”, afirmou.

* Edição: Frontliner