Segundo a Associação Brasileira de Importadores de Combustível (Abicom), a defasagem no preço do diesel é de 18% (R$ 1,08) e da gasolina, 14% (R$ 0,67).

A estatal afirmou que não aumenta os preços da gasolina há 99 dias e que, a partir deste sábado (18), "o preço médio de venda de gasolina da Petrobras para as distribuidoras passará de R$ 3,86 para R$ 4,06 por litro". No caso do diesel, sem aumento há 39 dias, "o preço médio de venda da Petrobras para as distribuidoras passará de R$ 4,91 para R$ 5,61 por litro".

A reunião de quase três horas que autorizou os reajustes estava programada para acontecer no dia 29 de junho, mas foi antecipada às pressas para ontem (16), em pleno feriadão.

O Presidente Jair Bolsonaro disse que os aumentos são uma "traição ao povo brasileiro" e pediu a investigação pelo Congresso de dirigentes da companhia.

“Eu conversei há poucos minutos com o Arthur Lira [Presidente da Câmara dos Deputados]. Ele está, neste momento, se reunindo com líderes partidários, e a ideia nossa é propor uma CPI para investigarmos o Presidente da Petrobras, os seus diretores e também o conselho administrativo e fiscal. Nós queremos saber se tem algo errado nessa conduta deles, porque é inconcebível conceder um reajuste com o combustível lá em cima e com os lucros exorbitantes que a Petrobras está dando”, disse Bolsonaro em entrevista à Rádio 96 FM, de Natal.

"O lucro da Petrobras é uma coisa que ninguém consegue entender, algo estúpido. Ela lucra seis vezes mais que a média das petrolíferas de todo o mundo", enfatizou.

“A Petrobras, só no primeiro trimestre deste ano, lucrou R$ 44 bilhões. Você tem como reduzir essa margem de lucro porque está previsto na Lei de Estatais que ela tem que ter um fim social. Ela [Petrobras] não se preocupa com o social, se preocupa apenas com o lucro”, apontou o presidente brasileiro.

Bolsonaro disse ainda que outras empresas internacionais do ramo de petróleo reduziram seus lucros para evitar maiores desgastes à população.

No último dia 9, o governo indicou Caio Paes de Andrade para o lugar de José Mauro Coelho, e nomes para o Conselho de Administração, mas as substituições ainda precisam ser aprovadas pela assembleia de acionistas da petroleira. O Conselho é composto por 11 membros dos quais seis são indicações do governo federal.

"Com a troca, nós podemos botar gente mais competente lá dentro para poder entender o fim social da empresa e não conceder esse reajuste, que destrói a economia brasileira, leva inflação para a população, leva perda de poder aquisitivo para toda a população que já vive uma situação bastante crítica", explicou Bolsonaro.

Arthur Lira defendeu em rede social que José Mauro Coelho renuncie imediatamente.

"Não por vontade pessoal minha, mas porque não representa o acionista majoritário da empresa — o Brasil — e, pior, trabalha sistematicamente contra o povo brasileiro na pior crise do País", escreveu o Presidente da Câmara.

"Ele só representa a si mesmo e o que faz deixará um legado de destruição para a empresa, para o País e para o povo. Saia, pois sua gestão é um ato de terrorismo corporativo", acrescentou.

Já o Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, insistiu na proposta da criação de uma conta de estabilização de preços.

"O governo deve aceitar dividir os enormes lucros da Petrobras com a população, por meio de uma conta de estabilização de preços em momentos de crise", defendeu Pacheco. "O Senado aprovou inúmeras matérias legislativas que estavam ao seu alcance e agora espera medidas rápidas e efetivas por parte da Petrobras e de sua controladora, a União".

Já o Ministro André Mendonça do STF determinou que a Petrobras explique, em até cinco dias, os critérios adotados para reajustar os preços dos combustíveis nos últimos 60 meses.

Mendonça cobra a conciliação entre a livre iniciativa e a função social da empresa, determinada pela Lei das Estatais.

O Ministro do Supremo também suspendeu a eficácia do convênio assinado pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) em março deste ano e decidiu que as alíquotas do ICMS dos combustíveis devem ser uniformes em todo território nacional.

“É pertinente registrar ainda preocupação constantemente vocalizada pelos Secretários Estaduais de Fazenda, tanto no curso da instrução processual, quanto das tratativas conciliatórias, acerca dos efetivos impactos que eventuais alterações na atual sistemática de incidência do ICMS proporcionariam no preço final dos combustíveis percebido nos postos de revenda pelo consumidor”, disse Mendonça.

Ibovespa

O principal índice de ações da bolsa de valores de São Paulo, a B3, fechou em forte queda nesta sexta-feira, pressionada pela desvalorização das ações da Petrobras, perdendo o patamar dos 100 mil pontos pela primeira vez desde novembro de 2020.

O Ibovespa perdeu -2,90%, encerrando o dia a 99.824 pontos.

As ações ordinárias da Petrobras (PETR3) fecharam em queda de -7,3%, enquanto as preferenciais (PETR4) perderam -6,1%.

Durante o pregão, os papéis da petroleira chegaram a cair mais de -10%.

Atualização 20/06/2022

A Petrobras comunicou ao mercado na manhã desta segunda-feira (20) que José Mauro Coelho pediu demissão do cargo de presidente da estatal.

"Petróleo Brasileiro S.A – Petrobras, informa que o senhor José Mauro Coelho pediu demissão do cargo de presidente da empresa na manhã de hoje. A nomeação de um presidente interino será examinada pelo Conselho de Administração da Petrobras a partir de agora. Fatos considerados relevantes serão prontamente comunicados ao mercado", diz documento da empresa arquivado na Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Veja também: