Novo centro de pesquisas da Petrobras na Ilha da Cidade Universitária da UFRJ, Rio de Janeiro

O edital prevê o financiamento de até  10 projetos, em seis diferentes áreas, com valores que vão de R$ 500 mil  a R$ 1,5 milhão, totalizando R$ 10 milhões nessa etapa.

O edital funciona por meio de “desafios” propostos pela Petrobras para a criação de produtos, veículos ou software,  em áreas como robótica, inteligência artificial, armazenamento de energia, captação e utilização de CO², entre outros. As inscrições podem  ser feitas até 22 de setembro no site do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). Os participantes terão até dois anos para desenvolver seus projetos.

“A empresa vai ter até 24 meses para desenvolver o projeto. Mas, se  ela achar que pode fazer em menos tempo, não tem problema. Ela apresenta  a proposta com o programa definido Se achar factível fazer em 12 meses,  se tem uma boa ideia que traga valor para a gente, para a empresa e que  seja factível , pode concorrer sem problema nenhum”, disse à Agência Brasil o engenheiro da Petrobras e líder do projeto Ricardo Ramos.

De acordo com Ramos, o resultado da primeira etapa está previsto para  sair em meados de outubro. Serão avaliados o impacto da solução  proposta para o negócio da Petrobras, a consistência e a viabilidade do  projeto, incluindo facilidade de implantação da solução, capacidade  técnica da equipe, grau de inovação, nível de maturidade tecnológica e  potencial de ganho de escala.

“Foram colocados alguns desafios mais fortes, pois a gente tem uma  noção de que há muitas empresas capazes de desenvolver [as soluções],  que já têm um certo grau de maturidade, mas ainda não é a solução  pronta. Assim como há outros que são até mais desafiadores em termos de  maturidade, mas podem estar em uma maturidade mais baixa [para ser  resolvidos no espaço de tempo]”, disse Ramos.

Entre os “desafios” estão a criação um pequeno submarino de baixo  custo autômato ou controlado remotamente para ajudar em atividades de  inspeção submarina, o desenvolvimento de software para aumentar  a eficiência de armazenamento da energia produzida a partir de fonte  solar ou eólica e até um sistema para gerenciamento de imagens imersivas  (fotos e vídeos 360º) e navegação interativa (street view) para  auxiliar no processo de planejamento e de intervenções em plataformas.

“A gente tem oportunidade de selecionar tanto projetos que já estão  na cara do gol e que precisam só de um desenvolvimento final, quanto  aqueles que estão na escala de laboratório e precisam ser levados ainda a  uma escala de protótipo. Se ele tiver potencial, também é considerado  sucesso para a gente ter um projeto que eleve a maturidade da  tecnologia”, afirmou.

Além do recurso financeiro, as startups ou pequenas empresas  selecionadas também terão auxílio para superar os desafios dos anos  iniciais, como suporte financeiro, interação com o corpo técnico da  Petrobras, capacitação empresarial, podendo gerar mais produtos,  serviços e modelos de negócios inovadores. No caso de conclusão dos  desafios e desenvolvimento de soluções com escala, Ramos disse que o  edital traz as especificações sobre o que acontece.

"As regras sobre as propriedades de resultado estão bem definidas no  edital. A Petrobras não vai ter nenhum participação no capital social da  empresa, não seremos sócios da empresa. A segunda coisa é que o que for  desenvolvido ao longo do projeto, se for passível de proteção, vai ser  compartilhado, terá uma propriedade intelectual compartilhada na  cotitularidade” disse.

A iniciativa, desenvolvida em parceria com o Serviço Brasileiro de  Apoio à Micro e Pequena Empresa (Sebrae), faz parte do programa  Petrobras Conexões para Inovação e foi criada para aproximar a empresa  de startups. No total, o programa terá a duração de cinco anos.  A previsão é que outros editais sejam lançados futuramente. A previsão  total de investimentos é de R$ 60 milhões.

“A gente fez um mapeamento de demandas internas de necessidade de  soluções tecnológicas nas áreas de negócios da Petrobras e tivemos mais  demandas do que estamos colocando no edital. Isso dá uma perspectiva boa  para os empreendedores de que a gente deve ter outro edital após esse  primeiro”, disse Ramos.

Veja também: