No vídeo de uma reunião de trabalho do Planalto, tornada pública nesta sexta-feira (22) por decisão do Ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal, Guedes reclama que o BB é uma instituição financeira que não pode ser "apertada", sendo o caso de privatizá-la. Bolsonaro tentou cortar o assunto e se mostrou contrário à discutir a venda, defendida pelo Presidente do BB, Rubem Novaes.

"O Banco do Brasil não é tatu nem cobra. Porque ele não é privado, nem público. Então se for apertar o Rubem, coitado. Ele é super liberal, mas se apertar ele e falar: 'bota o juro baixo', ele: 'não posso, senão a turma, os privados, meus minoritários, me apertam'. Aí se falar assim: 'bota o juro alto', ele: 'não posso, porque senão o governo me aperta'. O Banco do Brasil é um caso pronto de privatização”, disse o Ministro da Economia.

Dirigindo-se ao Presidente Bolsonaro, Guedes disse “é um caso pronto e a gente não tá dando esse passo. O senhor já notou que o BNDES e a Caixa, que são nossos, públicos, a gente faz o que a gente quer. Banco do Brasil a gente não consegue fazer nada e tem um liberal lá. Então tem que vender logo”.

No vídeo, Guedes pede à Novaes para confessar “seu sonho”, provocando sobre a privatização do BB. Bolsonaro diz para Novaes só confessar seu sonho em 2023.

Contudo, Novaes prossegue, defendendo a privatização. “Eu acho que fica claro que com o BNDES cuidando do desenvolvimento e com a Caixa cuidando do fim da área social, o Banco do Brasil estaria pronto para um programa de privatização, né?”, diz.

Bolsonaro intervém: “Isso aí só se discute, só se fala isso em 2023, tá?”.

Leitura recomendada:

Veja também: