Segundo o South China Morning Post (SCMP), de Hong Kong, os membros do Partido Comunista Chinês (PCC) foram "convidados" a implementar pessoalmente a política de "três filhos", em um artigo que se tornou viral antes de ser excluído.

Como partido que completou 100 anos no poder em 1º de julho, o PCC liderou a implementação do planejamento familiar e, agora, da política dos três filhos.

A China praticou a política “um casal, um filho” entre 1979 e 2015. Nos últimos anos passou a permitir dois filhos por casal, mas acabou por subir o limite para três, este ano, devido à baixa taxa de natalidade.

O editorial, que foi publicado pela primeira vez no mês passado, nesta semana atraiu forte reação dos internautas chineses até desaparecer do site da revista estatal China Report.

O site informa que "fundada em 1950, a China Report é uma revista mensal de circulação nacional sobre assuntos correntes da China e finanças, sob a liderança do Departamento de Propaganda do Comitê Central do Partido Comunista da China, do escritório de informações do Conselho de Estado chinês e do Bureau de Relações Exteriores da China, e diretamente subordinada à agência de propaganda estrangeira do Comitê Central".

Apesar de ter sido apagado, o artigo parece ter sido lido e compartilhado por milhões de chineses, com a ajuda de hashtags e de imagens.

O texto dizia que cada membro do partido – cerca de 95 milhões de pessoas, "deveria assumir a responsabilidade e a obrigação do crescimento populacional do país e agir sobre a política dos três filhos" e “nenhum membro do partido deve usar qualquer desculpa, objetiva ou pessoal, para não casar ou ter filhos, nem podem usar qualquer desculpa para ter apenas um ou dois filhos".

O artigo ainda continha instruções para os membros do PCC que não podem procriar devido à idade ou outras condições: devem “educar, orientar e ajudar os familiares e amigos a ter três filhos de forma proativa”, de acordo com o SCMP.

“[Os membros do partido] nunca devem ficar sem fazer nada quando familiares e amigos não estão se casando ou dando à luz, e nunca devem ser indiferentes por eles terem apenas um ou dois filhos, não importa a desculpa”, disse o artigo de opinião.

No entanto, os jovens chineses argumentam que o alto custo de vida e as pressões das longas jornadas de trabalho são obstáculos para ter filhos.

“Embora a política dos três filhos já tenha sido lançada, muitas pessoas não têm condições, capacidade, dinheiro ou tempo para cuidar dos filhos, principalmente para as mulheres, que têm que ir para casa mais cedo, e isso fará com que mais empresas não queiram contratar mulheres!” reportou o Guardian, citando um usuário de rede social chinesa. “Não deveria a sociedade ser equilibrada no desenvolvimento? Quando se torna uma regra obrigatória ter três filhos?”.

Outro disse: “Sou apenas uma pessoa comum. Meu tempo, energia e dinheiro só me permitem criar um filho no futuro. A maioria dos membros do Partido são pessoas comuns”.

Alguns usuários de rede sociais lembraram a lei de Proteção dos Direitos e Interesses das Mulheres, que salvaguarda a liberdade individual de escolher ter filhos.

Parte da motivação do governo para reprimir o setor de aulas particulares e o mercado imobiliário nos distritos escolares é lidar com o aumento dos custos da educação, que continua sendo um grande obstáculo para os pais que pensam em ter filhos.

Cerca de 18% da população da China tem mais de 60 anos de idade. No ano passado, a taxa de fecundidade caiu para 1,3 filhos por mulher, abaixo dos 2,1 necessários para manter uma população estável.

Com base no acompanhamento do número de partos no primeiro semestre deste ano, a queda deve continuar em 2021, prevê a Comissão Nacional de Saúde.

Se todos os membros do PCC fossem forçados a ter pelo menos três filhos, os números de afiliados do partido poderiam disparar dentro de uma geração. É muito cedo para dizer se isso se tornará uma política de pleno direito, com os observadores proeminentes da China especulando sobre aonde isso pode levar.

Especialistas apontam que apenas permitir mais filhos não trará as mudanças sociais necessárias. Algumas províncias também começaram a anunciar uma série de medidas de apoio, incluindo subsídios para a gravidez e cortes de impostos para motivar os casais a terem três filhos.

Economistas alertam que a mudança demográfica da China pode criar obstáculos à segunda maior economia do mundo, ao prejudicar a produtividade e sobrecarregar o sistema de pensões — prevê-se que o país terá 300 milhões de pessoas com 60 anos ou mais em 2025.

Cai Fang, membro do Comitê Permanente da Assembleia Popular Nacional, o parlamento chinês, e um dos mais importantes especialistas em população do país, alertou, num discurso recente, que o agravamento do perfil demográfico da China enfraqueceria as exportações, o investimento e o consumo, o que poderia levar à estagnação econômica do país.

Veja também: