Segundo a ministra, com a redução das exportações de Rússia e Bielorrusia, o Brasil precisa trabalhar em uma “diplomacia dos insumos”.

Juntos, os países árabes fornecem 26% dos fertilizantes importados pelo Brasil, segundo a Câmara de Comércio Árabe Brasileira. Entre os principais fornecedores estão Marrocos, Qatar, Arábia Saudita, Egito, Omã e Argélia.

A ministra disse que o Mapa vai conversar com empresas e cooperativas do setor agrícola sobre o interesse em aumentar a compra de insumos dos países árabes.

“É importante mostrar o potencial dessas nações para as empresas brasileiras. Vivemos um momento importante de crise mas também de oportunidades para os dois lados”, ressaltou Tereza Cristina em rede social.

O Brasil importa mais de 85% dos fertilizantes utilizados na agricultura e no caso do potássio são 95% do seu consumo.

O governo também trabalha na logística para a importação de fertilizantes.

“Já identificamos muitos gargalos nos portos brasileiros e estamos estudando como resolver no curto prazo”, informou a ministra.

O Presidente da Câmara de Comércio Árabe Brasileira, Osmar Chohfi, disse que a entidade também irá trabalhar para aproximar ainda mais as empresas árabes de produtores brasileiros.

“Os países árabes são fornecedores importantes de diferentes tipos de fertilizantes para o agronegócio brasileiro, e o Brasil é muito importante para os países árabes em matéria de segurança alimentar”, ressaltou.

O Secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Guilherme Bastos, ressaltou a importância de o Brasil diversificar as origens de suas importações de fertilizantes.

“Estamos em um momento em que o Brasil precisa aumentar o volume de importação para se preparar para a próxima safra”, disse.

Em conjunto, os países árabes são os principais exportadores mundiais de fertilizantes, seguidos por Rússia, China, Canadá e Estados Unidos.

O Brasil é o principal destino das exportações árabes de fertilizantes, seguido por Índia, Estados Unidos, Tailândia, Turquia e Argentina.

© Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA)

Leitura recomendada:

Veja também: