Durante quase toda a pandemia, as taxas de infecção de San Francisco têm sido menores do que as dos Estados Unidos como um todo. Mas não mais.

Em 10 de maio, a taxa nacional de novos casos diários de infecção pelo vírus da covid-19 estava em cerca de 23 por 100.000 pessoas. Em San Francisco a taxa estava em 42 por 100.000, de acordo com dados do New York Times.

A taxa média de internação da cidade em 9 de maio foi de 6,4 por 100.000 pessoas, maior do que a taxa atual dos Estados Unidos de 4,5 por 100.000.

Um fenômeno semelhante está sendo observado em San Francisco no nível de bairro. Pela primeira vez desde que a pandemia começou, bairros mais ricos da cidade têm visto um período sustentado de taxas de casos mais altas do que os de menor renda.

Segundo o The Chronicle, uma explicação provável seria que as ondas anteriores deram aos bairros de baixa renda um aumento de imunidade que está ajudando seus moradores a enfrentarem melhor o surto atual.

Peter Chin-Hong, especialista em doenças infecciosas da UCSF, disse que as atuais altas taxas de casos de San Francisco provavelmente devem-se à cidade ter sido relativamente protegida da doença nos últimos dois anos, combinada com os moradores assumindo mais riscos à medida que as restrições locais diminuem.

San Francisco fez um trabalho tão bom prevenindo seus residentes de infecção durante a maior parte da pandemia, explicou Chin-Hong ao The Chronicle, que menos pessoas adquiriram imunidade natural em infecções anteriores, estando agora mais propensas a contrair covid-19 do que residentes de outras cidades.

Nesta quarta-feira (18), a Apple adiou mais uma vez sua política de retorno completo ao escritório, mantendo o piloto de dois dias por semana no local de trabalho em algumas locações. Os funcionários que estão no piloto terão a opção de trabalhar 100% remotamente se se sentirem desconfortáveis em comparecer ao escritório.

* Com informações do San Francisco Chronicle

Veja também: