"Acho que todos concordarão que estamos testemunhando mudanças tectônicas muito sérias que ocorrem nos mercados de commodities. E o mais importante, os paradigmas econômicos estão mudando", disse Miller no painel Global Oil and Gas Market: Then and Now no Fórum Econômico Internacional de São Petersburgo na quinta-feira (16).

"O sistema Bretton Woods II está em declínio. Vemos choques nos preços do gás, vemos volatilidade ultra-alta nos mercados de commodities e inflação muito alta. Mas tudo isso não começou ontem e nem hoje", observou o executivo.

Na avaliação de Miller, "estamos testemunhando dois sistemas sendo despedaçados. Por um lado, o sistema de mercados de commodities – o sistema de recursos. Por outro lado, o sistema que podemos chamar de nominal – o sistema dos Bancos Centrais, o sistema de reserva".

"Os Bancos Centrais regulam o valor nominal. Eles regulam as taxas de juros. Eles regulam as taxas de câmbio. Mas todas essas coisas são nominais. Eles usam esses instrumentos nominais – gostaria de chamar sua atenção para este ponto, pois é muito importante – para gerenciar e controlar a demanda", enfatizou.

"Mas o que está além do controle deles? É a oferta nos mercados de commodities. Fornecimento de matérias-primas. E o escopo de tal suprimento. Eles não têm nenhum instrumento para controlar isso", apontou Miller.

O chefe da Gazprom disse que "o jogo com o valor nominal" do dinheiro, taxas de juros e câmbio "acabou".

"Este sistema torna impossível controlar a oferta de um recurso, controlar a oferta nos mercados de commodities. Instrumentos de valor nominal – taxas de juros, taxas de câmbio – tornam isso impossível. Enquanto isso, o papel e a participação da matéria-prima e da energia continuam crescendo. Energia e matéria-prima são essenciais", disse Miller.

"O sistema de regulação nominal do custo isoladamente do controle potencial sobre a oferta de commodities gera um enorme impulso inflacionário. Não é causado por uma única pessoa chamada Ivanov ou Petrov ou Sidorov ou Smith, mas pelo próprio sistema de Bretton Woods", disse o executivo.

"O que acontece depois? Desglobalização, acúmulo de estoques de commodities e sobreposição de cadeias de suprimentos. No final do dia, percebemos que, como alguns especialistas dizem, The game is over. Por que o jogo acabou? Porque a demanda por matéria-prima está substituindo a demanda por reservas cambiais. Esta é uma grande mudança tectônica. Colossal", acrescentou Miller.

"O sistema Bretton Woods II é na verdade um paradigma: 'Nossa moeda – nossas regras; nós dizemos como você pode usar a nossa moeda, o que permitimos ou não que você faça. E a lei é o Atlântico de qualquer forma'".

"Mas vemos que a posição dominante do dólar está recuando. Acordos em moedas nacionais começam a ocorrer. E, em última análise, o paradigma está mudando", apontou Miller.

"Se recordarmos o esquema tradicional de dinheiro – commodity – dinheiro, que é o paradigma de Bretton Woods", observou o chefe das Gazprom, "veremos que uma fórmula completamente diferente está tomando o centro do palco hoje: commodity – dinheiro – commodity".

"Venda o gás primeiro e depois produza. Nosso produto – nossas regras. Não jogamos jogos que as regras não foram criadas por nós. Alguém diz: 'A lei é o Atlântico'. E alguém diz: 'A lei é a taiga'", disse Miller.

"O mais interessante é que a política de sanções e a política de contra-sanções trouxeram consequências que ninguém poderia esperar. Por que? Porque as sanções e as contra-sanções afetaram os mercados globais de commodities", nota o executivo da indústria petrolífera.

"Aparentemente, a chamada lei extraterritorial vai além do paradigma de Bretton Woods que diz: "nossa moeda – nossas regras". E pode ser observado em outro paradigma. Por que? Porque você não pode descrever o estado do seu sistema de energia ou da sua economia sem conhecer as regras de um determinado mercado de commodities ou o escopo da oferta nesse mercado. Quando isso acontece, o sistema Bretton Woods e as instituições internacionais globais simplesmente perdem todo o sentido. Eles param de funcionar. E desaparecem silenciosamente".

"E assim, todas essas instituições internacionais globais do sistema Bretton Woods estão lentamente atrofiando e definhando. Não estamos mais sentindo a influência delas. Elas não entendem mais o seu papel também e, eu enfatizo, sua importância está perdida. Não fazem mais sentido", disse Miller.

Miller lembrou à platéia que foi iniciativa dos reguladores europeus desassociar o preço do gás das cotações do petróleo e abandonar os contratos de longo-prazo em favor de compras à vista de gás no mercado spot internacional. Foto: © SPIEF
Miller lembrou à platéia que foi iniciativa dos reguladores europeus desassociar o preço do gás das cotações do petróleo e abandonar os contratos de longo prazo em favor de compras à vista de gás no mercado spot internacional. Foto: © SPIEF

Crise do gás

Miller lembrou à platéia que foi iniciativa dos reguladores europeus desassociar o preço do gás das cotações do petróleo.

"O que vemos hoje? Hoje, todos gostariam de ter fornecimentos de gás atrelados ao petróleo sob seus contratos. Porque significa os preços mais baixos do gás", disse o executivo.

Miller disse que também foi uma demanda dos reguladores abandonar contratos de longo prazo, que garantiam fornecimentos e preços. "É o mercado – o mercado à vista (spot) e de bolsa de valores – que colocará tudo em seu devido lugar”, defendiam.

"No entanto, como sabemos, a nossa empresa não cria capacidades de produção, não produz nem transmite gás antes da venda do gás. É por isso que hoje nós, por nossa vez, podemos agradar nossos reguladores dizendo que não há capacidade de produção disponível ou que está sendo criada para atender os contratos de longo prazo existentes que não foram prorrogados ou novos contratos que não foram concluídos. Assim, o setor do gás está sujeito a a potenciais subinvestimentos".

"No que diz respeito aos instrumentos de negociação à vista e bolsa de valores, na verdade alertamos contra eles e dissemos: 'Por que fazer isso, considerando que o gás, ao contrário do petróleo, não está entre os produtos tradicionalmente negociados em bolsa?' O resultado é que todas essas plataformas spot e de negociação são ineficazes".

"Eles fizeram o que acharam necessário", disse Miller, "mas nós os avisamos. Dissemos: 'É excepcionalmente arriscado parar de usar contratos de longo prazo'".

"Por isso, se falamos de inflação e volatilidade de preços, elas decorrem das decisões que foram anunciadas e colocadas em prática. Bem, eles têm o resultado e eles têm que aceitá-lo. Eles conseguiram o que lutaram", apontou o executivo.

"E o que a inflação e a volatilidade dos preços criam? Eles criam demanda por empréstimos. Em particular, empréstimos de curto prazo. Mas isso cria a necessidade de os bancos aumentarem sua volatilidade. E já vemos que alguns bancos estrangeiros têm algumas dificuldades em conceder tais empréstimos. Talvez, depois de um tempo, eles não tenham mais essa possibilidade, considerando tanta volatilidade e choques de preços", ponderou Miller.

Na sessão Global Challenges of the Energy Mix in 2022 do 25º SPIEF, o Vice-Primeiro-Ministro da Rússia, Alexander Novak, disse que petróleo e gás nos mercados globais continuarão em alta demanda no futuro e o mundo não poderá prescindir dos recursos energéticos russos. Foto: © SPIEF
Na sessão Global Challenges of the Energy Mix in 2022 do 25º SPIEF, o Vice-Primeiro-Ministro da Rússia, Alexander Novak, disse que petróleo e gás nos mercados globais continuarão em alta demanda no futuro e o mundo não poderá prescindir dos recursos energéticos russos. Foto: © SPIEF

Agenda cáqui

Nesta sexta-feira (17), na sessão Global Challenges of the Energy Mix in 2022, o Vice-Primeiro-Ministro da Rússia, Alexander Novak, disse que o país pode manter e até aumentar significativamente seus fornecimentos para os mercados globais de gás e afirmou que a Rússia criará suas próprias tecnologias de produção de gás natural liquefeito (LNG).

"Essa área estará em demanda. Enquanto a Rússia produz apenas 30 milhões de toneladas de LNG hoje, poderemos alcançar 100 milhões de toneladas por ano no futuro", observou o Vice-Primeiro-Ministro.

No futuro, petróleo e gás nos mercados globais continuarão em alta demanda, acrescentou. Nesta situação, o mundo não poderá prescindir dos recursos energéticos russos, acredita Alexander Novak.

“Não há excedente de petróleo e gás no mercado. Podemos ver que há muitas incertezas em termos de abastecimento, e há escassez local de recursos energéticos. Ao mesmo tempo, é óbvio que a demanda por recursos energéticos se recuperará já este ano devido ao fim do bloqueio e ao aumento do consumo de energia. Além disso, a tendência de menores volumes de investimento na produção continua. Portanto, a escassez local de petróleo é possível no futuro”, ponderou.

No final, o consumidor é quem mais sofre, ressaltou Alexander Novak.

“Hoje estamos em uma situação volátil. Ao longo do ano, os preços de todos os recursos energéticos subiram: o gás custa em média quatro vezes mais, os preços do petróleo subiram 80% e o preço do carvão mais que dobrou. Os consumidores arcam com custos significativos. Nesta situação, a agenda verde desvaneceu-se visivelmente; é mais como cáqui agora”, acrescentou.

Leitura recomendada:

Veja também: