Desenvolvido pela firma de robótica Boston Dynamics, o cachorro robô pesa 32 kg, corre a mais de 5 km/h e sobe lances de escada. Embora possua um sistema para se deslocar de forma autônoma em ambientes complexos, por enquanto o robô é operado principalmente por controle remoto.

O contrato de aluguel de US$ 94.000 da polícia de New York para o cachorro robô termina em agosto, mas o NYPD decidiu encerrar os testes mais cedo, disse Miller.

A expectativa do departamento de polícia era que o Digidog salvaria vidas e manteria os policiais mais seguros, mas para muitos moradores o cão robô evoca na vida real cenas da ficção distópica, como 'Robocop' e 'Black Mirror', em que robôs policiais automatizados dispensam justiça no local por meio de algoritmos.

Foto: © Allison Kaden
Foto: © Allison Kaden
O NYPD usou o Digidog apenas em cerca de seis missões. Fotos: © Marie Mckinstry
O NYPD usou o Digidog apenas em cerca de seis missões. Fotos: © Marie Mckinstry

O uso do cão robô também alimentou preocupações de privacidade, incluindo manifestações da deputada de New York Alexandria Ocasio-Cortez, que comparou o Digidog a um "drone de vigilância robótica".

Outro congressista de New York, Ritchie Torres, pediu que o "governo federal interviesse", anunciando uma legislação que obrigaria os departamentos de polícia a informar o uso de tecnologia de vigilância caso recebessem fundos federais.

Legisladores locais também expressaram ceticismo, com Ben Kallos apresentando o "No Killer Robots Act" em março, que visa aumentar a transparência no uso de robôs pela polícia.

Embora o robô "não esteja atualmente equipado com armas", Kallos disse que não há uma política explícita que impeça o uso de armamentos.

Os desenvolvedores da Boston Dynamics enfatizam que o cães robôs se destinam apenas a usos não violentos e que "não foram projetados para serem usados como armas, infligir danos ou intimidar pessoas ou animais", disse um porta-voz.

Contudo, o fator 'intimidação" encerrou as pretensões do cachorro robô de fazer carreira no NYPD, já que até mesmo um representante do Prefeito Bill de Blasio disse que estava "feliz que o Digidog foi sacrificado".

“É assustador, alienante e envia uma mensagem errada aos nova-iorquinos”, disse o porta-voz Bill Neidhardt ao New York Times.

* Com informações do The New York Times, New York Post

Veja também: