Um dos fatores de Araripina ter sido escolhida para sediar a unidade industrial foi sua localização estratégica, estando a um raio de 300 km de sete Estados.

“Temos um sonho de trazer desenvolvimento para o Sertão e impactar o Nordeste colocando nossa marca em ação. Araripina está no epicentro da logística que será escoada pelos portos de Pecém (CE), Suape e Salgueiro, de onde estaremos mais próximos do Sudeste do que Goiania”, afirmou Edilson Vieira, diretor administrativo e financeiro do Grupo Novo Brasil.

A chegada da montadora foi festejada pelo Prefeito de Araripina, Raimundo Pimentel. “Ficamos quase dois anos tratando do projeto e a escolha de Araripina para nós tem um significado imenso do ponto de vista econômico e social. Representa uma oportunidade de trazer a indústria automotiva que vai mudar a base econômica da nossa cidade e região”, registrou o Diario de Pernambuco.

A unidade industrial da NBR será erguida em terreno de 290 mil metros quadrados (m²) e contará com 30 mil m² de área construída. Durante a fase de construção, que deverá durar cerca de 18 meses, a expectativa é de que sejam gerados 240 empregos diretos. O complexo contará, ainda, com uma usina solar fotovoltaica e uma pista de testes, totalizando um investimento inicial de R$ 260 milhões.

O projeto executivo da montadora, em fase de conclusão, contempla a produção de 1.200 buggies por mês em dois turnos de trabalho.

A produção em série deverá ser iniciada a partir do segundo semestre de 2023, gerando 450 empregos diretos e mais de três mil indiretos.

A empresa está elaborando e negociando junto ao Governo de Pernambuco e ao SENAI um projeto de capacitação em Araripina para até 1.000 pessoas nas áreas de laminação de fibra de vidro e de carbono, elétrica, mecânica, montagem e funilaria, entre outros.

Os veículos do Grupo NBR serão comercializados em lojas próprias – inicialmente em Recife, Natal, Fortaleza, São Paulo e Florianópolis – e concessionárias homologadas. As unidades serão compostas por showroom e oficinas autorizadas.

O grupo vai oferecer inicialmente um veículo leve e modular destinado ao uso urbano e lazer, com capacidade para até cinco pessoas e porta-malas, estrutura tubular e chassis em fibra de vidro ou de carbono, e que pode ser convertido em um buggy, com preço estimado a partir de R$ 66 mil em valores de hoje.

O design seguirá a tendência asiática, com linhas contemporâneas e toques retrô.

Entre os principais componentes da parte mecânica estão motores FLEX 1.0, 1.0 turbo, 1.3 e 1.5; tração 4×2 e 4×4; quatro pneus do mesmo tamanho; sistema de suspensão independente nas quatro rodas; direção hidráulica; e sistema de iluminação em LED.

“Nossa montadora ocupa uma lacuna em que não há concorrente em nenhum país do mundo. Grandes marcas apresentaram protótipos de buggies que ainda não chegaram ao mercado. Nosso objetivo é contribuir para o desenvolvimento do nosso Estado, levando outras oportunidades à região conhecida por ser o polo gesseiro pernambucano”, comentou o diretor-presidente do Grupo NBR, Evandro Lira. “Queremos renovar e reacender a paixão dos brasileiros pelo buggy”.

* Com informações da Combogó

Veja também: