Em entrevista à TV estatal VGTRK nesta segunda-feira (21), Murashko garantiu anticorpos por 6 meses aos vacinados com o imunizante Sputnik V.

"Em princípio, podemos garantir que não há necessidade de verificar novamente as taxas de anticorpos dentro de seis meses após a vacinação", afirmou o Ministro.

Contudo, o Ministério da Saúde da Rússia está preparando uma campanha para revacinar parte da população do país imunizada com a Sputnik V há mais de seis meses.

"Assim que o atual surto de infecções diminuir, as pessoas só precisarão se revacinar contra a covid-19 uma vez por ano", disse Murashko.

O Ministro acrescentou que a versão de dose única Sputnik Light estará disponível a partir de 25 de junho para quem desejar revacinar.

O plano para revacinar aqueles que receberam a vacina Sputnik V há mais de 6 meses foi apoiado pelo Kremlin, com o porta-voz Dmitry Peskov chamando-o de "inevitável", e pelo prefeito de Moscou, Sergey Sobyanin, que enfatizou ser agora "vital" começar a administrar uma terceira dose.

Sobyanin falou na semana passada sobre a necessidade de revacinação e disse que ele próprio foi vacinado uma segunda vez um ano após sua primeira imunização.

A Rússia começou os ensaios da Sputnik V no outono europeu passado e alguns dos primeiros recipientes estão com seus níveis de proteção reduzidos.

Mikhail Degtyarev, governador da região de Khabarovsk, disse que foi revacinado porque o número de anticorpos da primeira vacinação diminuiu muito.

“Hoje é a segunda vez que sou vacinado contra o coronavírus. A primeira vez foi em julho e agosto do ano passado. Após 11 meses, a quantidade de anticorpos no sangue diminuiu significativamente, então decidi não arriscar nem minha saúde nem a saúde das pessoas com quem trabalho e encontro todos os dias", escreveu Degtyarev em rede social.

Nas últimas semanas, a pandemia tem crescido na Rússia e regiões estão começando a implementar suas próprias medidas para "incentivar a vacinação".

Média móvel de 7 dias de infecções e óbitos. Fonte/Arte: © Reuters
Média móvel de 7 dias de infecções e óbitos. Fonte/Arte: © Reuters

Várias regiões do país, incluindo Moscou, ordenaram a vacinação obrigatória para certas categorias da população. As autoridades moscovitas disseram que agora estão trabalhando para lançar uma campanha de revacinação em toda a cidade.

Maior cidade da Europa e epicentro da pandemia na Rússia, Moscou relatou o maior número de casos de covid-19 em um único dia neste fim de semana. A variante indiana (Delta) é responsável por 90% de todas as infecções na capital.

A Rússia registrou 17.378 novos casos em todo o país nesta segunda-feira (21). Na capital, foram detectadas 7.584 novas infecções em apenas 24 horas – quase 45% de todos os casos registrados.

Segundo o Ministro Murashko, 1% do total de casos são de pessoas vacinadas.

Estimativas da Reuters apontam que cerca de 13% da população russa já foi vacinada contra o coronavírus da covid-19.

Tatyana Moskalkova, comissária de direitos humanos da Federação Russa, disse que promover a vacinação em massa por meio da restrição de direitos é um "jogo desonesto".

* Com informações do The Moscow Times, Gazetem, Kommersant, RT

Leitura recomendada:

Veja também: