A MSD comprou o medicamento por meio da aquisição da empresa farmacêutica OncoImmune por US$ 425 milhões no ano passado.

Em fevereiro, a Food and Drug Administration (FDA) pediu mais dados antes de considerar a autorização do uso do medicamento em pacientes gravemente enfermos.

A farmacêutica americana disse que, com base nas pesquisas e testes adicionais que seriam necessários, o tratamento provavelmente não estaria disponível até o primeiro semestre de 2022 e que atualmente existem vários medicamentos para tratar pacientes hospitalizados com coronavírus.

"A Merck agora está concentrando seus esforços no avanço do molnupiravir, que, como medicamento oral para uso ambulatorial, representa uma nova abordagem potencial promissora", disse o vice-presidente sênior Roy Baynes, "e na aceleração da produção da vacina covid-19 da Johnson & Johnson".

Em uma rara colaboração entre empresas rivais, a MSD revelou no mês passado que irá fabricar doses do imunizante da Johnson & Johnson, depois que suas próprias vacinas candidatas não conseguiram provocar fortes respostas imunológicas.

Nota: A Merck Sharp & Dohme (MSD) é uma empresa americana não relacionada à farmacêutica alemã Merck, que detém os direitos do nome e da marca "Merck" internacionalmente, exceto no Canadá e nos Estados Unidos.

* Com informações do Financial Times

Veja também: