Algumas mortes por coronavírus, especialmente no início, foram erroneamente atribuídas a outras causas, enquanto a crise pode ter levado indiretamente à perda de muitas outras vidas ao dificultar ou desencorajar pessoas com outras doenças graves de procurar assistência médica ou tratamento.

A contagem de mortes por todas as causas durante o período de sete meses produziu uma imagem mais completa da pandemia e de suas dimensões raciais.

Em um ano médio, algo em torno de 1,7 milhão de pessoas morrem nos Estados Unidos entre janeiro e o final de julho. Este ano, o número foi de cerca de 1,9 milhão, segundo os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC).

De acordo com análise da Associated Press (AP), os novos dados do CDC mostram que o número de vitimados de minorias não corresponde à proporção na população.

Negros, hispânicos, nativos americanos e asiáticos representam 40% da população dos EUA, mas somaram 52% de todas as "mortes em excesso" até julho, afirma a AP.

As mortes de hispânicos, asiáticos e negros aumentaram pelo menos 30% em cada grupo em comparação com a média dos últimos cinco anos; as mortes entre os nativos americanos aumentaram mais de 20%; e as mortes entre brancos aumentaram 9%.

De forma surpreendente, apenas metade das mortes do grupo asiático foram oficialmente associadas à Covid-19, menos do que para todos os outros grupos.

Jarvis Chen, professor da escola de saúde pública da Universidade de Harvard, especulou que os asiático-americanos podem não estar fazendo o teste na mesma proporção que outros grupos, o que poderia resultar em algumas mortes por vírus sendo atribuídas a outras causas. Para a Dra. Namratha Kandula, da Northwestern University, é preciso cuidado com generalizações sobre a saúde subjacente dos asiático-americanos como um todo, observando que eles são um grupo diverso de muitas nações e culturas diferentes.

Mortes por outras causas

O CDC ainda não forneceu números por raça e etnia de "mortes por outras causas". Certas mortes – suicídios ou overdoses de drogas, por exemplo – frequentemente envolvem investigações demoradas antes que uma causa seja determinada.

Em um estudo (1) de 48 estados e do Distrito de Columbia, durante o período pandêmico de 1º de março a 30 de maio, em comparação com as mortes esperadas calculadas nos cinco anos anteriores as mortes oficialmente atribuídas à Covid-19 representaram 78% do total. Um segundo estudo (2), usando o mesmo banco de dados com métodos estatísticos diferentes para o período de 1º de março a 25 de abril, concluiu que apenas 65% das mortes em excesso foram atribuídas à Covid-19.

Mortes por doenças crônicas não emergentes aumentaram conforme os pacientes adiavam as visitas de manutenção e suas condições médicas se deterioravam. No segundo estudo de excesso de mortes, os cinco estados com mais mortes de Covid-19 de março a abril (Massachusetts, Michigan, New Jersey, New York e Pensilvânia) experimentaram grandes aumentos proporcionais em mortes por causas básicas não respiratórias, incluindo diabetes (+95%), doenças cardíacas (+90%), doença de Alzheimer (+65%) e doenças cerebrovasculares (+35%).

A cidade de New York – o epicentro da Covid-19 do país – experimentou o maior aumento em mortes não respiratórias, principalmente por doenças cardíacas (+400%) e diabetes (+360%).

Câncer

Pacientes com câncer com Covid-19 morrem a uma taxa três vezes maior que pacientes sem câncer com a doença, de acordo com os resultados recém-divulgados pelo Covid-19 & Cancer Consortium (CCC19).

Em um estudo (3) com 2.186 pacientes com câncer diagnosticados com Covid-19, 48% tiveram casos considerados leves, 40% moderados e 12% graves.

Pacientes com câncer em boa saúde, sem comorbidades – tanto em tratamento ativo quanto em remissão – tiveram uma taxa de mortalidade de 4%, um pouco maior do que a da população geral dos Estados Unidos, geralmente citada entre 2 e 3,4% (e notoriamente difícil de identificar).

Pessoas cujo câncer estava progredindo apesar do tratamento tinham uma taxa de mortalidade de 26%, descobriram os pesquisadores. Pessoas com 75 anos ou mais tiveram uma taxa de mortalidade de 27%. E aqueles que apresentaram desempenho insatisfatório – pessoas que não conseguiam trabalhar, estavam confinadas à cama ou com deficiência – tinham uma taxa de mortalidade de 35%.

* Com informações do The Japan Times, Fred Hutchinson Cancer Research Center, JAMA Intern Med, Cancer Discovery

(1) Weinberger DM, Chen J, Cohen T, et al. Estimation of Excess Deaths Associated With the COVID-19 Pandemic in the United States, March to May 2020. JAMA Intern Med. Published online July 01, 2020. doi:10.1001/jamainternmed.2020.3391

(2) Woolf SH, Chapman DA, Sabo RT, Weinberger DM, Hill L. Excess Deaths From COVID-19 and Other Causes, March-April 2020. JAMA. 2020;324(5):510–513. doi:10.1001/jama.2020.11787

(3) Rivera DR, Peters S, et al. Utilization of COVID-19 treatments and clinical outcomes among patients with cancer: A COVID-19 and Cancer Consortium (CCC19) cohort study. Cancer Discov. July 22 2020. doi:10.1158/2159-8290.CD-20-0941

Leitura complementar:

Veja também:

Leitura recomendada: