Construída pelo Metrô, a nova entrada da Estação Oscar Freire está  localizada na esquina da rua Oscar Freire com a avenida Rebouças, e  permite chegar mais facilmente ao Hospital das Clínicas. O acesso  funcionará de domingo a sexta-feira, das 4h40 à 0h, e aos sábados, das  4h40 até a 1h do dia seguinte. A passagem conta com oito escadas  rolantes, cinco fixas e um elevador, além de piso podotátil para  auxiliar pessoas com deficiência visual.

Foto: Governo do Estado de São Paulo

Administrada pela concessionária ViaQuatro, a Estação Oscar Freire  funciona desde abril de 2018 e recebe 22 mil pessoas diariamente. O  local é totalmente acessível e conta, ao todo, com cinco elevadores, 20  escadas rolantes e 17 fixas, além de portas de plataformas.

Acesso à Linha 5-lilás

O Governador João Doria e o Secretário dos Transportes Metropolitanos, Alexandre Baldy, anunciaram diversas melhorias para  facilitar o fluxo diário de cerca de 100 mil passageiros da Estação  Capão Redondo, da Linha 5-Lilás.

Entre os serviços programados pela concessionária ViaMobilidade,  responsável pela operação e manutenção da Linha 5-Lilás, estão a  ampliação do espaço de entrada, implantação de uma passagem exclusiva  para o terminal de ônibus e aumento do número de catracas. A área de  acesso à estação será ampliada em 63%.

Ainda como parte da adequação da estação, construída em 2000, a  escadaria da calçada será substituída por uma rampa, com ligação direta à  área das catracas, para oferecer acessibilidade a pessoas com  deficiência ou mobilidade reduzida. Além disso, as máquinas de  autoatendimento e recarga de bilhetes serão reposicionadas.

Essas mudanças contribuirão para aumentar a fluidez no embarque e  desembarque, especialmente em horários de maior movimentação. Ao término  das adequações, a capacidade de absorção do fluxo de passageiros vindos  da rua crescerá 40%. O número de catracas também terá acréscimo de  aproximadamente 40%.

“Nosso objetivo é oferecer à população de São Paulo um transporte  público eficiente, confortável e seguro. Além de investir na construção  de novas estações, é preciso aprimorar aquelas já existentes. Nossa  gestão aposta nas concessões e parcerias com a iniciativa privada para  racionalizar custos e ter um serviço público de melhor qualidade. As  mudanças que a ViaMobilidade fará na Estação Capão Redondo são um bom  exemplo disso”, declarou Baldy

As obras tiveram início nesta quarta-feira e têm previsão de  conclusão na primeira quinzena de novembro deste ano. Não haverá impacto  na operação da linha durante as intervenções, pois os serviços serão  realizados em áreas segregadas ou no período noturno.

O projeto de readequação faz parte de uma solução proposta e  realizada pela concessionária ViaMobilidade para atender ao expressivo  crescimento de demanda. Especialmente na Estação Capão Redondo o público  aumentou significativamente após a abertura, em 28 de setembro do ano  passado, das estações Santa Cruz e Chácara Klabin, que fazem integração  com as linhas 1-Azul e 2-Verde, respectivamente. A quantidade de  passageiros transportados subiu mais de 90%: de 320 mil, em agosto de  2018, para os atuais 600 mil.

A Linha 5-Lilás é composta por 17 estações ao longo de 20 km, de  Capão Redondo a Chácara Klabin. Ela se integra ao Metrô na Estação Santa  Cruz (Linha 1-Azul) e na Estação Chácara Klabin (Linha 2-Verde) e à  CPTM (Linha 9-Esmeralda) na Estação Santo Amaro. A implantação da linha  foi concluída em abril deste ano com a entrega da Estação Campo Belo.

Linha 4-Amarela

Construída pelo Metrô de São Paulo e operada pela concessionária  ViaQuatro, atualmente a linha funciona de Luz a São Paulo-Morumbi, com  11,3 km e dez estações, permitindo a conexão com seis linhas da rede  sobre trilhos de São Paulo, em quatro estações diferentes. Por ela  passam em média 800 mil pessoas por dia útil.

A segunda fase de implantação da linha consiste na construção das  estações Fradique Coutinho, Higienópolis-Mackenzie, Oscar Freire, São  Paulo-Morumbi (todas já funcionando) e Vila Sônia, a última do trecho,  que deve ficar pronta em 2020.

Também está incluso no projeto a implantação do terminal de ônibus  Vila Sônia e um túnel de 1,5 km para chegada à última estação, além da  complementação do pátio de manutenção da Vila Sônia, instalação das  portas de plataforma, dos sistemas de alimentação elétrica, auxiliares e  de telecomunicações. Toda essa etapa tem o valor orçado em R$ 1,9  bilhão.