Na quinta-feira (16), Ribeiro explicou, em audiência pública na Comissão de Educação do Senado, que a iniciativa do Ministério da Educação (MEC) busca reduzir custos através de novas tecnologias de ensino, utiliza modelos implementados por outros países, e segue as diretrizes, metas e estratégias definidas no Plano Nacional de Educação (PNE).

"É isso que temos visto em grandes países que estão desenvolvendo essa ferramenta. Vamos começar com alguns cursos e todos vão poder ter acesso, pois com 400, 500 professores, eu posso atingir milhões de alunos no País todo, obedecendo às premissas do PNE”, disse o ministro.

Reuni Digital

O Ministério da Educação, por meio da Secretaria de Educação Superior (Sesu), com vistas a atender às metas de expansão de matrículas na educação superior está desenvolvendo o Programa Reuni Digital para promover a Educação a Distância
(EaD) nas Instituições de Ensino Superior (IES) públicas federais.

O Programa prevê uma elevação na taxa bruta de matrículas para 50% e na taxa líquida de escolarização para 33% da população de 18 a 24 anos, sendo que pelo menos 40% das novas matrículas seja proveniente do segmento público.

"O principal desafio está em descobrir meios para que os profissionais da área
educacional, bem como técnico-acadêmicos, consigam compreender que a EaD é
fundamental para que o país consiga ofertar cursos de nível superior com qualidade e que ela não seja apenas um formato desvinculado das ações atuais das IFES, mas que faça parte do cotidiano destas instituições, atendendo demandas locais e regionais", destaca a proposta Reuni Digital: Plano de Expansão da EAD nas IES públicas federais, de maio deste ano.

Veja também: