O primeiro-ministro Édouard Philippe anunciou a suspensão temporária do projeto que aumenta de 62 para 64 anos a idade para requerer o benefício integral, após centenas de milhares de manifestantes lotarem as ruas de Paris e de outras cidades neste sábado (11) para protestar contra as reformas propostas no sistema francês de aposentadoria.

A proposta foi encaminhada por meio de uma carta às centrais sindicais.

"Com a intenção de demonstrar minha confiança nos interlocutores sindicais, estou disposto a retirar a curto prazo do projeto de lei a medida que havia proposto, que consiste em convergir progressivamente a partir de 2022 até uma idade de equilíbrio de 64 anos em 2027", escreveu o premiê.

É improvável que a concessão do governo termine a greve ou as manifestações. Os sindicatos mais militantes – e os mais representados nas ferrovias e no metrô de Paris – estão exigindo que Macron abandone todo o seu plano de reformas.

Marine Le Pen, considerou a ação do governo uma tática de negociação "desonesta".

"Você introduz algo que é inaceitável e depois o retira", disse à imprensa francesa.

Como outras figuras da oposição, Le Pen tem exigido que o governo retire todo o seu plano.

A demanda nas ruas no sábado foi justamente por isso. O clima era militante, e os manifestantes mais violentos entraram em conflito com a polícia.

Os sindicatos disseram que 150.000 manifestantes estiveram nas ruas de Paris.

Macron defende que seu plano de aposentadoria representa uma resposta justa e racional ao novo mundo do trabalho, onde as carreiras são interrompidas e os cidadãos franceses não ficam mais no mesmo emprego por toda a vida.

Diante de 38 dias de greves e manifestações em massa, o Governo Macron foi forçado a realizar uma série de concessões a profissões nos últimos dias – policiais, dançarinas, enfermeiras, comissários e pilotos – criando o tipo de aposentadoria personalizada que sua reforma procurava terminar.

O governo da França desempenha um papel importante nas aposentadorias – fornecendo e garantindo fundos e supervisionando todo o sistema.

O sistema enfrenta déficit de US$ 19 bilhões.

* Com informações do ZeroHedge e Jeanne Menjoulet

Veja também: