A Usina de Itaipu também registrou a mais alta taxa de produtividade da  história para o período de um mês em julho deste ano. Esta  taxa é resultado da relação entre a produção de energia e a água que  passa pelas turbinas. Foram produzidos 1,100 mil megawatts médios por  metro cúbico de água por segundo (MWmed/m³/s) no mês. O recorde  anterior, de 1,098 MWmed/m³/s, era de julho de 2018.

Segundo informações da Itaipu Binacional, no período o desperdício de  água foi irrisório. Dentre os fatores que contribuíram para o resultado  estão o menor nível de água que chegou ao reservatório, o que favoreceu  o aproveitamento de cada metro cúbico de matéria-prima em megawatt.

Outro fator, segundo a companhia, foi o gerenciamento das variáveis  envolvidas no processo de geração de energia como demanda, estoque de  água e disponibilidade das máquinas e da transmissão.

O recorde anterior, de julho do ano passado, foi obtido 28 anos  depois da melhor marca que foi registrada em setembro de 1991 (1,087  MWmed/m³/s). Esse valor foi superado em maio, junho e julho do ano  passado.