“Estou anunciando esta noite o início da campanha para receber a vacina de reforço, a terceira dose”, disse o Primeiro-Ministro Naftali Bennett em transmissão nacional de TV.

“A realidade prova que as vacinas são seguras. A realidade também prova que as vacinas protegem contra morbidade grave e morte. E como a vacina contra a gripe que precisa ser renovada de vez em quando, é o mesmo neste caso”, argumentou.

Mais de 57% dos 9,3 milhões de residentes de Israel receberam duas doses do imunizante da Pfizer/BioNTech, e mais de 80% da população com mais de 40 anos está vacinada.

O programa de vacinação permitiu que Israel reabrisse sua economia antes de outros países, mas o país está assistindo a um aumento das infecções mesmo entre as pessoas totalmente vacinadas.

O governo israelense registrou 2.165 novos casos de coronavírus na quinta-feira, após um aumento acelerado nas infecções no mês passado. Os casos graves de covid-19 aumentaram de 19 em meados de junho para 159 com a disseminação da altamente infecciosa variante indiana (Delta).

Pacientes hospitalizados com covid-19 em estado severo/crítico. Fonte/arte: © Israel Ministry of Health Dashboard
Pacientes hospitalizados com covid-19 em estado severo/crítico. Fonte/arte: © Israel Ministry of Health Dashboard

A maioria dos estudos – e dados do Reino Unido e dos Estados Unidos – até agora mostram que a vacina da Pfizer continua protegendo contra doenças graves. Na quarta-feira (28), a Pfizer divulgou dados de seu estudo de 44.000 pessoas, mostrando que, embora a proteção contra qualquer infecção sintomática tenha diminuído ligeiramente seis meses após a imunização, a proteção contra covid-19 grave permaneceu em quase 97%.

Já um levantamento elaborado pelo Ministério da Saúde de Israel mostra que a efetividade da vacina contra novas infecções no país foi de apenas 40% no mês passado.

A Organização Mundial de Saúde, os Estados Unidos e a União Europeia não aprovaram doses de reforço – não existe evidência da necessidade e não está provada a eficácia e durabilidade de uma terceira dose, quem precisaria e quando.

Contudo, reforços já estão sendo usados em países que administraram vacinas chinesas e russas. Israel usou a vacina da Pfizer/BioNtech em sua população.

Bennett disse que uma equipe de consultores concordou amplamente, por uma margem de 56-1, que fazia sentido lançar a campanha de reforço.

O líder israelense disse que a recomendação foi feita após “considerável pesquisa e análise” e que suas informações serão compartilhadas em todo o mundo.

Estudos preliminares em Israel indicaram que a proteção da vacina contra doenças graves caiu entre os vacinados em janeiro.

“As descobertas mostram que há um declínio na imunidade do corpo ao longo do tempo. O objetivo do reforço é fortalecê-lo, reduzindo significativamente as chances de infecção e doenças graves”, disse Bennett.

"Peço a todos os idosos que receberam a segunda dose, que busquem o reforço”, apelou o Primeiro-Ministro.

Segundo Bennett, o Presidente Isaac Herzog será o primeiro a receber o reforço, nesta sexta-feira.

Atualização 30/07/2021

Reprodução: © Isaac Herzog/rede social
Reprodução: © Isaac Herzog/rede social

O Presidente Isaac Herzog recebeu nesta sexta-feira (30) uma terceira dose da vacina Comirnaty, marcando o início de uma campanha de revacinação em Israel, contra o vírus da covid-19, destinada a maiores de 60 anos que completaram o regime de duas doses da vacina da Pfizer há cinco meses ou mais.

O país já havia autorizado a administração da dose extra em vacinados com imunodepressão grave.

Atualização 08/08/2021

De acordo com dados do Ministério da Saúde de Israel, reportados pela TV israelense neste domingo (8), quatorze pessoas foram diagnosticadas com covid-19 apesar de terem sido inoculadas com uma terceira dose da vacina Pfizer.

Onze dos 14 casos detectados tem mais de 60 anos e os demais são de pessoas imunocomprometidas, informou o Channel 12. Dois pacientes idosos estão hospitalizados.

O número limitado de casos não é suficiente para os médicos tirarem conclusões quanto à efetividade da terceira dose no combate à variante Delta.

* Com informações da BBC, The Guardian, The Times of Israel

Leitura recomendada:

Veja também: