"O Irã tem oportunidades técnicas para criar uma bomba nuclear, no entanto, esse programa não está sobre a mesa", observou o vice-presidente iraniano, relata a agência de notícias Fars.

Ele disse que as acusações da aspiração de desenvolver armas nucleares são infundadas. "Essas falsas acusações estão sendo promovidas por Israel com o apoio de forças antirrevolucionárias, a fim de enganar a opinião pública", afirmou.

Segundo Eslami, "foi estabelecida uma cooperação construtiva entre o Irã e a International Atomic Energy Agency (IAEA), que funciona sem falhas".

"Todas as nossas ações [sobre o desenvolvimento do programa nuclear] estão sendo implementadas no âmbito do Tratado sobre Não Proliferação de Armas Nucleares sob o controle da IAEA", acrescentou.

Em 22 de julho, o diretor-geral da AIEA, Rafael Mariano Grossi, disse que o programa nuclear iraniano havia avançado significativamente desde 2015.

Segundo Grossi, não há um único país sem projetos militares que enriquece urânio até 60% como o Irã. No entanto, ele acrescentou que a rejeição gradual de Teerã de suas obrigações sob o acordo nuclear não significa necessariamente que o Irã esteja envolvido no desenvolvimento de armas nucleares.

* Com informações da TASS

Veja também: