Em dezembro de 2020, os ingressos líquidos em investimentos diretos no país (IDP) somaram US$ +739 milhões, ante US$ +2,8 bilhões observados em dezembro de 2019. A estimativa do Banco Central (BC) para o IDP de dezembro era de US$ +2,6 bilhões.

Houve ingressos líquidos de US$ +3,1 bilhões em participação no capital e saídas líquidas de US$ -2,4 bilhões em operações intercompanhia.

No ano de 2020, o IDP totalizou US$ 34,2 bilhões (2,38% do PIB), ante US$ 69,2 bilhões (3,68% do PIB) em 2019, queda de 51%. Fonte/arte: Banco Central
No ano de 2020, o IDP totalizou US$ 34,2 bilhões (2,38% do PIB), ante US$ 69,2 bilhões (3,68% do PIB) em 2019, queda de 51%. Fonte/arte: © Banco Central

No ano, o IDP totalizou US$ 34,2 bilhões (2,38% do PIB), ante US$ 69,2 bilhões (3,68% do PIB) em 2019. A estimativa do BC para o IDP de 2020 era de US$ 36 bilhões, montante atualizado no último Relatório Trimestral de Inflação (RTI).

Do recuo de US$ -35,0 bilhões (-51%), destacam-se as reduções de US$ -19,1 bilhões em ingressos por lucros reinvestidos (US$ 1,6 bilhão em 2020 ante US$ 20,8 bilhões em 2019) e de US$ -14,8 bilhões em ingressos para participação no capital exceto lucros reinvestidos (US$ 28,1 bilhões em 2020 ante US$ 42,9 bilhões em 2019).

IDE

Em dezembro de 2020, os investimentos diretos no exterior (IDE) apresentaram aplicações líquidas de US$ +128 milhões, ante aplicações líquidas no exterior de US$ +1,6 bilhão em dezembro de 2020.

Fonte/arte: © Banco Central
Fonte/arte: © Banco Central

No ano de 2020, o IDE totalizou regressos líquidos ao país (desinvestimentos) de US$ -16,4 bilhões, ante aplicações líquidas de US$ +22,8 bilhões em 2019.

Os desinvestimentos ocorridos em 2020 concentraram-se em empresas do setor financeiro.

Investimento em Carteira

Em dezembro de 2020, ocorreram ingressos líquidos de US$ +6,3 bilhões em investimentos em carteira negociados no mercado doméstico, sétimo mês seguido de ingressos líquidos. Desse total, US$ +3,7 bilhões em ações e fundos de investimento e US$ +2,6 bilhões em títulos de dívida.

Fonte/arte: © Banco Central
Fonte/arte: © Banco Central

No ano de 2020, ocorreram saídas líquidas de US$ -8,5 bilhões (ante saídas líquidas de US$ -6,7 bilhões em 2019), concentradas em ações e fundos de investimento, enquanto os títulos de dívida negociados no país apresentaram ingressos líquidos de US$ +41 milhões em 2020.

Incluindo ações e títulos de dívida negociados no exterior, os passivos de investimento em carteira registraram saídas líquidas de US$ -2,6 bilhões em 2020, ante saídas líquidas de US$ -10,2 bilhões em 2019.

Reservas internacionais

O estoque de reservas internacionais atingiu US$ 355,6 bilhões em dezembro de 2020, redução de US$ -1,6 bilhão em comparação a dezembro de 2019.

As operações nos diferentes instrumentos de intervenção no mercado de câmbio – US$ 24,8 bilhões de vendas à vista e US$ 3,6 bilhões de retornos líquidos em linhas com recompra – contribuíram em US$ -21,2 bilhões para reduzir o estoque de reservas internacionais no ano. A receita de juros atingiu US$ +5,6 bilhões em 2020. As variações por preço e paridades contribuíram para aumentar o estoque, respectivamente, em US$ +8,7 bilhões e US$ +4,3 bilhões.

* Com informações do Banco Central do Brasil

Veja também: