Atualização 28/08 - Nesta sexta-feira (28), o Tesouro Nacional aumentou para R$ 4,9 trilhões o teto da Dívida Pública Federal (DPF) para o fim de 2020 devido aos gastos extras com a pandemia.

Apesar de menor do que os dois meses anteriores, o resultado para julho – ingressos líquidos de US$ 2,3 bilhões em participação no capital e de US$ 420 milhões em operações intercompanhia –  foi acima do esperado pelo Banco Central, que projetou US$ 2 bilhões para o mês.

Nos doze meses encerrados em julho de 2020, o IDP totalizou US$62,6 bilhões, correspondendo a 3,94% do PIB.Fonte: Banco Central
Nos doze meses encerrados em julho de 2020, o IDP totalizou US$62,6 bilhões, correspondendo a 3,94% do PIB.Fonte: Banco Central

Os dados fazem parte da nota do setor externo do BC divulgada nesta terça-feira (25). Até o último dia 20 indica saldo líquido de saída do país de US$ 165 milhões, graças ao superávit comercial de US$ 4,9 bilhões, uma vez que a conta financeira registrou saídas líquidas de US$ 5,1 bilhões. O dado parcial de agosto mostra ainda a entrada de US$ 277 milhões em investimento direto até o dia 20.

De acordo com o chefe do Departamento de Estatísticas do Banco Central, Fernando Rocha, o IDP foi atingido pela situação de incerteza sobre a volta da atividade econômica.

"As incertezas não estão no mesmo nível que eram em abril, mas de fato elas permanecem muito elevadas", disse Rocha. “Os investimentos diretos são de mais longo prazo e flutuações na atividade econômica de curto prazo têm um impacto menos relevante. Mas no caso da pandemia, houve impactos econômicos inéditos e muito incerteza”.

"No caso dos investimentos, depende de uma maturação de projetos, decisão de expansão de atividades, oportunidades de compra, um conjunto de fatores. O investimento em julho, como esperado, foi menor do que em junho. É possível que ele seja novamente menor no mês de agosto", disse Rocha.

IDE

Os fluxos líquidos de investimentos diretos no exterior (IDE) somaram aplicações líquidas de US$ 663 milhões em julho, ante desinvestimentos observados de fevereiro a junho, segundo dados do BC.

Fonte: Banco Central
Fonte: Banco Central

No acumulado deste ano até julho, os regressos líquidos somaram US$ 19,5 bilhões, em comparação a aplicações líquidas de US$ 12,5 bilhões em período correspondente do ano anterior.

Investimento em Carteira

Em julho, os investimentos em carteira no mercado doméstico totalizaram ingressos líquidos de US$ 885 milhões, dos quais US$ 333 milhões em títulos de dívida e US$ 553 milhões em ações e fundos de investimento.

Nos sete primeiros meses de 2020, houve saídas líquidas de US$ 30,6 bilhões, contra ingressos líquidos de US$ 14 bilhões, no mesmo período no ano passado.

Nos doze meses encerrados em julho, a saída líquida de investimento em portfólio no mercado doméstico somou US$ 52,3 bilhões.
Fonte: Banco Central
Fonte: Banco Central

Rocha explica que parte dos recursos que saíram do País nos meses mais agudos da crise estão começando a voltar, mas apesar dos resultados positivos nos últimos dois meses, é difícil dizer que essa situação aponta para uma tendência.

"Uma redução de incerteza pode gerar novas oportunidades no mercado de renda fixa no Brasil. Alguns investimentos estão voltando, mas não é uma coisa que a gente possa dizer que é uma tendência porque esses fluxos são muito voláteis".

Reservas internacionais

O estoque de reservas internacionais atingiu US$ 354,7 bilhões em julho, aumento de US$ 5,9 bilhões em comparação ao mês anterior. Contribuiu o resultado líquido positivo de US$ 2,4 bilhões nos diferentes instrumentos de intervenção no mercado de câmbio – US$ 2,6 bilhões de retornos líquidos em linhas com recompra, US$ 205 milhões de retornos líquidos nas operações compromissadas em moeda estrangeira e US$ 365 milhões de vendas à vista. Adicionalmente, as variações por paridades e por preço e a receita de juros elevaram o estoque, respectivamente, em US$ 2,5 bilhões, US$ 524 milhões e US$ 416 milhões.

IDP 2019

Após revisão dos dados do IDP de 2019, a entrada de recursos foi ajustada de US$ 78,6 bilhões (4,3% do PIB) para US$ 73,5 bilhões (4,0% do PIB), “em função da incorporação de amortizações de operações intercompanhia, efetuadas em mercadoria, informadas retroativamente no sistema RDE-ROF”, diz nota do BC.

* Com informações do Banco Central do Brasil

Leitura recomendada:

Veja também: