Na margem, o IPC britânico subiu 2,5% frente ao índice apurado em março.

Variação 12 meses do índice de preços ao consumidor (CPI) no Reino Unido. Fonte: Office for National Statistics. Gráfico: © BBC
Variação 12 meses do índice de preços ao consumidor (CPI) no Reino Unido. Fonte: Office for National Statistics. Gráfico: © BBC

Cerca de três quartos da inflação de abril veio de contas mais altas de eletricidade e gás, de acordo com o Office for National Statistics (ONS).

Milhões de consumidores viram um aumento sem precedentes de £700 por ano nos custos de energia após o valor máximo por unidade que os fornecedores podem cobrar dos clientes ter saltado no mês passado – as casas que usam uma quantidade típica de gás e eletricidade estão pagando em média £1.970 (R$ 12 mil) por ano.

Os mais pobres estão sendo mais atingidos pelos aumentos porque têm que gastar uma parcela muito maior de seus orçamentos domésticos em gás e eletricidade, disse o Instituto de Estudos Fiscais à BBC.

A elevação dos preços de alimentos e combustíveis também estão aumentando o custo de vida, reforçando a expectativa que a inflação continuará subindo este ano.

O ONS disse que os custos de máquinas, móveis e outros bens domésticos também aumentaram em abril. Além disso, todos os itens nos cardápios de restaurantes e cafés também subiram, devido à taxa de IVA voltar a 20% após ser cortada durante a pandemia para ajudar as empresas.

Por sua vez, o preço médio da gasolina ficou em £1,62 (R$ 10) por litro em abril de 2022, o mais alto já registrado, em comparação com £1,26 por litro um ano antes.

O Banco da Inglaterra alertou no início deste mês que a crise de custos poderá deixar o Reino Unido à beira da recessão, com a inflação chegando a mais de 10% no final deste ano, em meio a novos aumentos esperados nas contas de energia.

Em 1982, o Reino Unido iniciou uma recuperação econômica sob a liderança do governo de Margaret Thatcher, que implementou políticas monetárias restritivas para reduzir a inflação – que alcançou 18% – mas que elevaram o número de desempregados para máximos desde a década de 1930.

Veja também: