A participação no capital foi negativa em US$ -2,3 bilhões, resultado de lucros reinvestidos negativos de US$ -6,0 bilhões e ingresso líquido de US$ +3,7 bilhões em participação no capital exceto lucros reinvestidos. As operações intercompanhia registraram saídas líquidas de US$ -1,6 bilhão no mês.

A saída líquida de recursos via rubrica de IDP é atípica. Segundo a série histórica do BC, só há dois registros adicionais negativos: em julho de 2016, de US$ 103 milhões e em março de 1995 (US$ 24 milhões).

No ano de 2021, o IDP totalizou ingressos líquidos de US$ 46,4 bilhões (2,89% do PIB), ante US$ 37,8 bilhões (2,61% do PIB) em 2020. Fonte/arte: © Banco Central

No ano de 2021, o IDP totalizou ingressos líquidos de US$ 46,4 bilhões (2,89% do PIB), ante US$ 37,8 bilhões (2,61% do PIB) em 2020.  Nessa comparação, destacam-se os incrementos de US$ 8,8 bilhões em ingressos de lucros reinvestidos (US$ 14,2 bilhões em 2021 ante US$ 5,5 bilhões em 2020) e de US$ 4,1 bilhões em participação no capital exceto lucros reinvestidos (US$ 32,2 bilhões em 2021 ante US$ 28,1 bilhões em 2020).  As operações intercompanhia registraram redução de US$ -4,2 bilhões (saídas líquidas de US$ -29 milhões em 2021, ante ingressos líquidos de US$ +4,2 bilhões em 2020).

Em dezembro, o Banco Central revisou sua projeção de IDP para 2021 de US$ 55 bilhões para US$ 52 bilhões.

IDE

Os investimentos diretos no exterior (IDE) apresentaram desinvestimentos líquidos de US$ -5,0 bilhões em dezembro de 2021, ante aplicações líquidas de US$ +4,0 bilhões em dezembro de 2020.

Fonte/arte: © Banco Central

Em 2021, os fluxos de IDE totalizaram aplicações líquidas de US$ +19,2 bilhões, ante desinvestimentos líquidos de US$ -3,5 bilhões em 2020. O resultado deveu-se, principalmente, às aplicações em participação no capital, que somaram US$ +19,3 bilhões em 2021, ante desinvestimentos líquidos de US$ -4,8 bilhões em 2020.

Investimento em Carteira

Os investimentos em carteira no mercado doméstico totalizaram saídas líquidas de US$ -47 milhões em dezembro 2021, resultado de saídas de US$ -853 milhões em ações e fundos de investimento e ingressos de US$ +806 milhões em títulos de dívida.

Fonte/arte: © Banco Central

No ano de 2021 os ingressos líquidos em carteira no mercado doméstico somaram US$ +25,4 bilhões (US$ +7 bilhões em ações e fundos de investimentos e US$ +18,5 bilhões em títulos de dívida) ante saídas liquidas de US$ -7,8 bilhões em 2020.

Reservas internacionais

As reservas internacionais somaram US$ 362,2 bilhões em dezembro de 2021, redução de US$ -5,6 bilhões em comparação a novembro de 2021. O resultado decorreu, principalmente, da liquidação de US$ -4,8 bilhões em vendas à vista e US$ -1,5 bilhão em concessão líquida em linhas com recompra.

No ano, as reservas internacionais "cresceram" US$ +6,6 bilhões.

O resultado positivo decorreu principalmente da alocação de direitos especiais de saque promovida pelo FMI a todos os países-membros, que acrescentou US$ +15,0 bilhões às reservas internacionais do Brasil.

Contribuíram também a receita de juros (US$ +5,0 bilhões) e o retorno líquido de linhas com recompra (US$ +4,9 bilhões). Contribuíram para a redução das reservas a liquidação de vendas à vista (US$ -12 bilhões), as perdas por preço (US$ -4,1 bilhões), e as perdas por paridade (US$ -3,3 bilhões).

* Com informações, dados e gráficos do Banco Central do Brasil

Veja também: