São 23.870 vagas de nível médio de agente censitário – preenchidas por ordem de classificação entre agente municipal (5.450 vagas) e agente supervisor (18.420) – e 183.021 vagas de nível fundamental para recenseadores.

As vagas estão distribuídas em 5.297 municípios do País.

Os recenseadores do IBGE atuarão diretamente na coleta das informações em mais de 70 milhões de domicílios. A remuneração varia conforme a produção.

O agente censitário municipal irá gerenciar o trabalho do posto de coleta, enquanto o agente censitário supervisor, subordinado ao municipal, orientará os recenseadores durante a execução dos trabalhos de campo. O salário para agente censitário municipal é de R$ 2.100 e para censitário supervisor é de R$ 1.700.

No caso dos recenseadores, a estimativa de duração dos contratos é de até três meses. Para os agentes censitários, é de cinco meses. Ambos contratos podem ter seus prazos estendidos.

Os interessados podem concorrer aos dois processos seletivos, pois as provas dos recenseadores serão realizadas de manhã e a dos agentes censitários à tarde.

A taxa de inscrição para recenseador é de R$ 57,50, e de R$ 60,50 para agente censitário, e pode ser paga até 16 de fevereiro. Pessoas inscritas no CadÚnico podem solicitar isenção do pagamento da taxa.

As provas presenciais estão previstas para 10 de abril e serão realizadas em todos os municípios onde houver vagas. No ato da inscrição o candidato poderá escolher fazer a prova em local diferente do que ele selecionou para trabalhar.

As inscrições para os processos seletivos de recenseador e agente censitário de 2020 e 2021 não serão válidas para o Censo 2022. O pedido de reembolso dos processos cancelados pode ser feito aqui.

As cerca de 650 mil inscrições já recebidas se dividem quase igualmente entre os concursos para recenseador (340 mil inscritos, 52%) e agente censitário (310 mil).

Segundo o coordenador de recursos humanos do IBGE, Bruno Malheiros, a expectativa do IBGE era atingir 800 mil inscrições até o último dia 29.

"A gente abriu o processo seletivo em um período difícil para as pessoas se inscreverem, com só duas semanas e com o Natal no meio", justificou.

Com a prorrogação do prazo até 21 de janeiro, "a gente acredita que vai chegar e até ultrapassar 1 milhão de inscrições", disse Malheiros.

Provas

Os candidatos a recenseador farão uma prova objetiva, de caráter eliminatório e classificatório, com 10 questões de Língua Portuguesa, 10 questões de Matemática, 5 questões sobre Ética no Serviço Público e 25 questões de Conhecimentos Técnicos. A prova será aplicada no dia 10 de abril, na parte da manhã, e tem duração de 3 horas.

“O conteúdo a ser cobrado na prova está detalhado no edital. Disponibilizamos também uma apostila de conhecimentos técnicos, preparada pelo IBGE, para que o candidato obtenha os conhecimentos necessários para responder as questões sobre a operação censitária. A apostila e o Código de Ética do IBGE estão disponíveis no site da FGV”, informa Malheiros.

Os candidatos a recenseador aprovados na primeira etapa receberão um treinamento presencial e à distância, de caráter eliminatório e classificatório, com duração de cinco dias e carga horária de oito horas diárias. Os candidatos que tiverem no mínimo 80% de frequência no treinamento receberão uma ajuda de custo para transporte e alimentação. As contratações ocorrem logo em seguida.

Já os candidatos para as funções de agente censitário farão prova objetiva de caráter eliminatório e classificatório, com 10 questões de Língua Portuguesa, 10 questões de Raciocínio Lógico Quantitativo, 5 questões de Ética no Serviço Público, 15 questões de Noções de Administração / Situações Gerenciais e 20 questões de Conhecimentos Técnicos. A prova será aplicada no dia 10 de abril, na parte da tarde, e tem duração de 3 horas e 30 minutos.  

Os gabaritos preliminares serão divulgados no dia seguinte a aplicação das provas, no site da FGV. O resultado final está previsto para 20 de maio de 2022.

* Com informações do IBGE

Veja também: