O Ministério do Interior pediu que autoridades locais e empresas implementem a norma. Elas devem pedir que a pessoa em questão mostre o rosto; caso ela se recuse, poderá ter o acesso vedado às áreas públicas ou ficará sujeita a multas de até 150 euros.

Além de afetar mulheres que usam regularmente o niqab  (véu que só deixa os olhos de fora) e burca (cobrindo o rosto e o corpo), o banimento também se dirige aos portadores de capacetes e balaclavas (toucas "ninja" que cobrem o rosto).

Estimativas apontam que menos de 400 mulheres usam ocasionalmente trajes islâmicos que possam ser proibidos.

A França foi a primeira nação europeia a proibir a ocultação do rosto em público, quase dez anos atrás. Segundo dados oficiais, teriam sido aplicadas até hoje multas em 39 casos, incluindo 22 portadoras de burca.