"Há uma possibilidade real de que uma crise regional com a Rússia ou a China possa se transformar rapidamente em um conflito envolvendo armas nucleares se eles perceberem que uma perda convencional ameaçaria o regime ou o Estado", alerta o Almirante Charles A. Richard no artigo Forging 21st-Century Strategic Deterrence, publicado na edição de fevereiro da revista do U.S. Naval Institute.

Desde o colapso da União Soviética, o Departamento de Defesa (DoD) não teve que considerar a possibilidade de competição entre grandes potências, crise ou conflito armado direto com um adversário com capacidade nuclear.

"Infelizmente, o ambiente atual não nos oferece mais esse luxo. As implicações da competição de hoje e o risco associado de crise de grande poder ou conflito armado direto são profundas; eles afetam quase todas as suposições fundamentais que fazemos sobre o uso da força armada na defesa da nação e de seus aliados", pondera Richard.

"Corremos o risco de desenvolver planos que não podemos executar e adquirir recursos que não produzirão os resultados desejados. Na ausência de mudança, estamos no caminho, mais uma vez, para nos prepararmos para o conflito que preferimos, em vez daquele que provavelmente enfrentaremos. É por meio dessas lentes que devemos examinar com atenção como pretendemos competir e deter nossos adversários, garantir nossos aliados e moldar de maneira adequada a futura força combinada".

Richard disse que as Forças Armadas dos Estados Unidos devem "mudar sua premissa principal de 'emprego nuclear não é possível' para 'emprego nuclear é uma possibilidade muito real' e agir para atender e deter essa realidade".

"Nossas experiências recentes contra adversários sem armas nucleares nos permitiram acreditar que o uso de armas nucleares é impossível e não digno de atenção. No Comando Estratégico dos EUA, avaliamos que a probabilidade de uso nuclear é baixa, mas não 'impossível', especialmente em uma crise e conforme nossos adversários com armas nucleares continuam a construir capacidade e se esforçar globalmente".

O chefe do STRATCOM disse que a Rússia e a China "começaram a desafiar agressivamente as normas internacionais e a paz global usando instrumentos de poder e ameaças de força de maneiras nunca vistas desde o auge da Guerra Fria".

Richard exaltou a modernização nuclear da Rússia e da China, convocando os EUA a competir com as duas nações.

"As capacidades estratégicas de nossos concorrentes continuam a crescer e são preocupantes".

Treinamento militar na Rússia. Foto: © Vitaly Nevar
Treinamento militar na Rússia. Foto: © Vitaly Nevar

Há mais de uma década a Rússia começou a modernizar suas forças nucleares, incluindo seus sistemas de médio e curto alcance não sujeitos a tratados. Está modernizando bombardeiros, mísseis balísticos intercontinentais (ICBMs), mísseis balísticos lançados por submarino (SLBMs), submarinos de mísseis balísticos movidos a energia nuclear, sistemas de alerta, capacidades de comando e controle e a doutrina para sustentar seu emprego –  em resumo, toda a sua estrutura de força estratégica. Além disso, a Rússia está construindo sistemas novos e inovadores, como veículos planadores hipersônicos, torpedos e mísseis de cruzeiro com armas nucleares e outras capacidades.

Richard aponta que a China também continua a dar saltos tecnológicos em capacidades em todos os domínios.

A China agora tem seis submarinos movidos a energia nuclear da classe Jin Tipo 094A. Cada um é capaz de disparar até 16 mísseis balísticos Julang-2A (JL-2A), que pode transportar até três ogivas nucleares e com alcance para atingir qualquer alvo nos Estados Unidos a partir da Base Naval de Yulin, na Ilha de Hainan. Foto: © PLA Daily
A China agora tem seis submarinos movidos a energia nuclear da classe Jin Tipo 094A. Cada um é capaz de disparar até 16 mísseis balísticos Julang-2A (JL-2A), que pode transportar até três ogivas nucleares com alcance para atingir qualquer alvo nos EUA a partir da Base Naval de Yulin, na Ilha de Hainan. Foto: © PLA Daily

Em todos os seus sistemas de armas convencionais, a China continua a investir recursos significativos em sistemas de mísseis hipersônicos e avançados, bem como a expandir suas capacidades espaciais e contra-espaciais. Seus avanços no espaço fornecem melhor controle de suas forças em todo o mundo e aumentam sua consciência situacional. O país também continua a investir em suas capacidades nucleares. Sua díade estratégica de ICBMs e SLBMs logo se tornará uma tríade, com a conclusão de um bombardeiro de longo alcance com capacidade nuclear. A China está construindo novos ICBMs terrestres e móveis, fornecendo às suas forças mais flexibilidade e capacidade.  

Quando se trata de armas nucleares da China, os EUA e a Rússia têm arsenais muito maiores. As estimativas atuais colocam o arsenal nuclear de Pequim em cerca de 320 ogivas, enquanto Washington e Moscou têm cerca de 6.000 ogivas cada.

Visto que o STRATCOM supervisiona o arsenal nuclear de Washington, seus comandantes sempre consideram o risco de uma guerra nuclear e estão sempre pedindo mais verbas para modernizar o arsenal. Mas com os EUA priorizando a chamada "competição de grande potência" com a China e a Rússia, e um aumento da presença militar dos EUA em lugares como o Mar do Sul da China, Ártico e Mar Negro, o risco de um conflito envolvendo armas nucleares está aumentando.

* Com informações do RT, U.S. Naval Institute, PLA Daily

Veja também: