Em 2018, foram investidos R$ 9,8 bilhões em valores nominais (R$ 10,3 bilhões, corrigidos pela inflação), o mais baixo do período de Governo Alckmin.

O resultado pífio de 2019 foi atribuido à redução de recebimentos de linhas de financiamento, diminuição no ritmo de obras e a cortes de despesas.

A redução nas linhas de crédito, nacionais e internacionais, estaria relacionada à dificuldades do governo cumprir cronogramas em obras contratadas de empresas envolvidas na Lava Jato e à necessidade de novas licitações. Como as parcelas dos financiamentos são liberadas contra medições das obras, o montante caiu.

A expectativa do governo estadual é que a iniciativa privada assuma a operação de rodovias, aeroportos, ferrovias, presídios, e outros serviços públicos, e faça os investimentos que atualmente dependem do dinheiro do contribuinte.

"Talvez o mais importante para a gente avaliar é que o foco hoje do investimento é através de concessões. Esses são os grandes valores",  disse o Secretário de Fazenda, Henrique Meirelles, ao Estadão.

O Governo Doria vem realizando rodadas de ofertas de concessões no Japão, China, Cingapura, Estados Unidos, Reino Unido, países da União Europeia, e programou reuniões nos Emirados Árabes na próxima semana.

* Com informações do jornal O Estado de S. Paulo

Veja também: