Em coletiva de imprensa na quarta-feira (21), o Secretário de Saúde do Distrito Federal, Osnei Okumoto, exemplificou a urgência da administração da 2ª dose.

Em fevereiro, foram registrados 20 óbitos de pessoas vacinadas – 19 delas parcialmente imunizadas. No mês de março, ocorreram 166 mortes em pacientes vacinados apenas com a primeira dose e 21 óbitos em pessoas imunizadas com o regime completo, de duas doses.

“A gente vem observando que é um número muito representativo e demonstra que a necessidade da segunda dose é o que determina a imunidade e a proteção maior dos moradores do Distrito Federal para que não desenvolvam sintomas mais graves da doença”, disse Okumoto.

Em 2021, o vírus já causou cerca de 5.200 óbitos no Distrito Federal.

711 pessoas parcialmente imunizadas morreram de covid-19.

Entre a população totalmente imunizada, foram registrados 263 óbitos.

Não foram detalhados os números de infecções ocorridas 2-3 semanas após as inoculações, faixas etárias e os imunizantes recebidos.

No Distrito Federal, mais de 1,2 milhão de pessoas, 54% da cobertura vacinal, já receberam ao menos uma dose de imunizante.

Contudo, apenas 21% da população acima de 18 anos já completou o regime de vacinação – 450 mil pessoas receberam duas doses e quase 50 mil dose única.

O Secretário de Saúde destacou que é preciso considerar os efeitos positivos da campanha de vacinação nas quedas das infecções e das internações e mortes em consequência da doença.

“Isso evidencia que as vacinas são suficientemente necessárias para que possa diminuir os casos de transmissão e óbito. Tivemos número elevado de pessoas contaminadas, mas tivemos óbitos relativos em número bem menor, quando comparado com a primeira onda”, disse Okumoto.

Óbitos Por Faixa Etária. Fonte/arte: © Codeplan - Boletim COVID-19 n˚ 66, 20 de julho de 2021
Óbitos Por Faixa Etária. Fonte: Codeplan - Boletim COVID-19 n˚ 66, 20 de julho de 2021

Impacto hospitalar

Nesta sexta-feira (23), o DF estava operando 166 leitos ativos de UTI com taxa de ocupação de 78%. Em 30 de março, dos 404 leitos ativos, 98% estavam ocupados.

A redução também ocorreu nas enfermarias covid. Em março, foram destinados 335 leitos, 92% ocupados. Hoje, 269 leitos ativos estão com ocupação de 54%.

Já a capacidade de Unidades de Cuidados Intermediários (UCI) soma 123 leitos ativos (52% ocupados) nesta sexta ante 129 leitos (49%) em 30 de março.

“Continuamos sempre alerta para que pessoas usem máscara, lavem as mãos, usem o álcool em gel e evitem aglomerações. Mesmo sendo vacinados, podemos adquirir o vírus e ter as complicações”, disse Okumoto.

Segundo dados da Secretaria de Saúde, atualizados nesta sexta-feira, o Distrito Federal acumula 9.538 óbitos por covid-19 desde o início da pandemia.

Fonte/arte: © Codeplan - Boletim COVID-19 n˚ 66, 20 de julho de 2021
Fonte/arte: © Codeplan - Boletim COVID-19 n˚ 66, 20 de julho de 2021

Atualização 27/07

Na Inglaterra, onde o lançamento da vacina foi escalonado do mais velho para o mais novo e nove em cada 10 com mais de 50 anos foram totalmente vacinados, 30% das 1.800 pessoas admitidas em hospitais por causa da variante Delta nas quatro semanas até 19 de julho tinham sido totalmente vacinadas. Cerca de 50% das 460 mortes no país relacionadas à variante indiana desde fevereiro foram de pessoas que também estavam totalmente imunizadas.

É importante notar que o conceito de "vacinado" difere entre autoridades sanitárias. Na Inglaterra e nos EUA, por exemplo, uma pessoa só é considerada vacinada após decorridos mais de 14 dias após a 2º dose ou dose única.

A implicação é que todas as infecções, internações e mortes causadas pelo vírus registradas nesses países antes desse prazo não são atribuídas aos "vacinados", aumentando artificialmente a efetividade das vacinas e ocultando o real nível de proteção obtido com apenas uma dose de imunizantes de regimes de duas doses.

Os testes de anticorpos disponíveis comercialmente mostram apenas se um indivíduo tem anticorpos ligados ao vírus da covid, mas a imunidade é um “continuum”, explicou Danny Altmann, Professor de Imunologia do Imperial College London, ao Financial Times.

“Não é binário. Você não está seguro ou inseguro, protegido ou não protegido. Todas as pessoas têm vários graus de proteção da vacina”, disse Altmann.

Atualização 08/08/2021

De acordo com dados do Ministério da Saúde de Israel, reportados pela TV israelense neste domingo (8), quatorze pessoas foram diagnosticadas com covid-19 apesar de terem sido inoculadas com uma terceira dose da vacina Pfizer.

Onze dos 14 casos detectados tem mais de 60 anos e os demais são de pessoas imunocomprometidas, informou o Channel 12. Dois pacientes estão hospitalizados.

O número limitado de casos não é suficiente para os médicos tirarem conclusões quanto à efetividade da terceira dose no combate à variante Delta.

Atualização 21/08/2021

Aumenta no Rio número de mortes de idosos com duas doses de vacina

Segundo a Agência Brasil, "sem divulgar estatísticas, a Secretaria Estadual de Saúde observou aumento na morte de idosos com esquema vacinal completo na semana epidemiológica de 30 de maio e 5 de junho de 2021".

"O tipo de imunizante não foi relevante no resultado da análise, de acordo com a Secretaria Estadual de Saúde", acrescentou a agência estatal de notícias.

"Segundo a Secretaria, os técnicos estão avaliando se os óbitos estão ocorrendo devido à redução da imunidade provocada pelo tempo, já que os idosos foram os primeiros a serem vacinados, por isso, está sendo avaliada a necessidade de se aplicar uma terceira dose na população da faixa etária".

É uma hipótese notável para vacinas que começaram a ser aplicadas em fevereiro, com intervalo de várias semanas entre as doses, e cujo esquema vacinal só é considerado "completo" após duas semanas da 2ª dose.

* Com informações da Agência Brasil, Financial Times, The Times of Israel

Leitura recomendada:

Veja também: