O Governo de São Paulo, por meio da  Companhia de Desenvolvimento  Habitacional e Urbano (CDHU), entregou  neste sábado (15) 628 moradias  populares na região de Itapeva.

“Na vida a gente vive de sonhos e  o maior deles é a casa própria. Nós  sabemos que essas famílias  contempladas atualmente pagam aluguel ou  moram de favor e, agora,  conquistaram a oportunidade de pagar por  prestações muito pequenas para  serem donas de seus imóveis”, festejou  o Vice-Governador e Secretário  de Governo, Rodrigo Garcia.

Desde 2015, na região  administrativa de Itapeva foram entregues 3.318 Habitações de Interesse Social e 2.263 estão em obras.

Itararé

A  CDHU investiu R$ 30 milhões no Conjunto Habitacional Itararé E.  Os  apartamentos entregues têm dois ou três dormitórios e área construída de  47 m² e 60 m², respectivamente. Do total de  unidades, 159 foram  destinadas à população em geral, 19 para famílias  com pessoas com  deficiência, 14 pra idosos, 11 para policiais e agentes  penitenciários,  5 para indivíduos sós e 54 unidades para famílias removidas das áreas  de risco. O Itararé E fica na Estrada Municipal  Itararé, no Bairro do  Açude Velho, em Chácara Moreiros.

Em  discurso, o prefeito de Itararé, Heliton do Valle, parabenizou a todos  pela conquista da casa própria.  “Esse é um dia muito feliz para nosso  município. É uma grande honra  para mim anunciar que, muito em breve,  vocês já estarão morando nessas  casas e fazendo delas, lares”,  enfatizou.

Itaberá

Em Itaberá, o investimento  foi de R$ 12 milhões no empreendimento.  As residências entregues têm  dois dormitórios e área construída de  57 m². Do total de 100 unidades,  53 foram destinadas à população em  geral, 7 para famílias com pessoas  com deficiência, 5 para idosos, 4  para policiais e agentes  penitenciários, 3 para indivíduos sós e 28 unidades para famílias  removidas das áreas de risco. O Itaberá G fica na  Rua Caetano Ferrai  Neto com a Rua das Margaridas, no Jardim Santa Inês.

No sorteio, 1.543 famílias se cadastraram, 95% delas com renda de até três salários mínimos.

O  presidente da CDHU,  Humberto Schmidt, destaca a importância de um  cidadão ser sorteado. “É  uma mudança de vida quando a família consegue  sair do aluguel para  investir na casa própria, é uma nova fase”.

Capão Bonito

O  conjunto habitacional “Governador Orestes Quércia”, em Capão Bonito,  recebeu R$ 26 milhões de investimentos. As casas entregues têm dois  dormitórios e área  construída de 44 m² ou 46 m². Do total de 266  unidades, 151 foram destinadas à  população em geral, 19 para famílias  com pessoas com deficiência, 14  para idosos, 11 para policiais e  agentes penitenciários, 5 para indivíduos sós e 66 unidades para  famílias removidas das áreas de risco.  O Capão Bonito H fica na rua  Domingos Lírio, na Vila Maria.

Um importante avanço para o  conjunto e para a região da Vila Maria, que não estava no projeto  inicial, foi a obtenção do prefeito Marco Citadini junto ao Ministério  das Cidades de R$ 1 milhão para investimentos em  pavimentação e  drenagem da Rua Antonio Carlos Negrão Júnior, que dá  acesso ao CDHU.

Citadini  falou sobre a importância de entregar as casas para as  famílias  capão-bonitenses. “Muito feliz em poder entregar as unidades  para as  pessoas que foram contempladas e que agora terão a garantia da  casa  própria. São 266 famílias que vão morar em um local com grande   infraestrutura".

“Nossa orientação é que os  moradores cuidem dessas casas, desse  bairro, para que este seja um  espaço digno e alegre para todos que o  ocupam”, afirmou o Secretário   de Habitação, Flavio Amary.

Os imóveis dos três conjuntos  habitacionais incorporam melhorias  estabelecidas como padrão de  qualidade pela CDHU, como acessibilidade, e  possuem piso cerâmico e  rodapé em todos os cômodos, azulejos na cozinha  e banheiro, estrutura  metálica no telhado, esquadrias de alumínio,  sistema de aquecimento  solar para água e muros de arrimo entre as  residências. Os residenciais  contam com infraestrutura de redes  de água e esgoto, pavimentação,  paisagismo e drenagem.

Das famílias que  receberam as chaves nos  três residenciais, a quase totalidade (90%) têm renda  de até três  salários mínimos (SM). O prazo de financiamento das moradias é de até 25  anos e as prestações  receberão subsídio do Governo do Estado, sendo  calculadas de acordo com a  renda familiar. As famílias que ganham entre  um e três SM pagarão o equivalente a, no máximo, 20% dos rendimentos.

Regularização fundiária

Durante  os eventos, também foram autorizadas ordens de serviço do  programa  Cidade Legal para a regularização fundiária de 4.313 imóveis  nos  municípios de Fartura, Itaberá, Itaí, Itapeva, Itaporanga, Angatuba,   Capão Bonito, Itaoca e Itararé.

O Cidade Legal acelera e  desburocratiza o processo de regularização  fundiária, sem custo aos  municípios e aos moradores. As prefeituras  recebem apoio técnico para a  regularização de parcelamento do solo e de  núcleos habitacionais,  públicos ou privados, para fins residenciais,  localizados em área  urbana ou de expansão urbana. Além de garantir  segurança jurídica, o  programa leva às famílias de baixa renda outros  benefícios, como o  acesso ao mercado formal de crédito, a possibilidade  de comercialização  do imóvel e a transferência para filhos ou herdeiros.