"No momento, é possível bombear 100 milhões de metros cúbicos por dia no gasoduto Nord Stream", disse a gigante russa de energia em comunicado.

Dado o volume diário programado de entregas da Gazprom em 167 milhões de metros cúbicos, o fluxo será reduzido em 40%.

De acordo com a companhia, cinco das oito unidades de bombeamento de gás da estação compressora Portovaya, em Vyborg, estão inoperantes.

O comunicado observa que a Siemens retirou unidades para reparo mas não retornou os equipamentos no prazo acordado; alguns compressores apresentaram mal funcionamento, o que levou o regulador Rostekhnadzor a suspender o uso; e que expirou o tempo entre revisões de algumas unidades de bombeamento.

As peças necessárias para resolver os problemas estão retidas no Canadá – os canadenses não as enviam devido às sanções à Rússia.

A Siemens ainda não comentou a situação. A empresa anunciou em março que interromperia as entregas de equipamentos para a Rússia. No mês passado, no entanto, disse que se retiraria completamente do mercado russo, e lançou procedimentos para encerrar suas atividades comerciais no país.

© Gazprom
© Gazprom

O gasoduto Nord Stream, que corre sob o Mar Báltico e fornece gás russo para a Europa, conecta a estação compressora de Portovaya, na Rússia, a um terminal em Greifswald, no nordeste da Alemanha, fornecendo ao mercado da União Europeia cerca de 55 bilhões de metros cúbicos de gás natural por ano.

Para a Alemanha, o Nord Stream é o principal gasoduto de abastecimento com gás russo. O trânsito de gás russo pela Ucrânia está bem abaixo do planejado.

Os preços do gás na Europa subiram mais de 10% após o comunicado – perto de US$ 1.000 por mil metros cúbicos, de acordo com dados da bolsa de Londres ICE.

"Se a falha do Nord Stream durar apenas alguns dias, não será um problema para o mercado europeu de gás", disse o especialista Andreas Schröder ao Handelsblatt. No entanto, os 40 a 70 milhões de metros cúbicos perdidos por dia são claramente perceptíveis em caso de falha que dura vários dias.

Os problemas técnicos no Nord Stream coincidem com uma paralisação não planejada na Noruega. "Ontem, 60 milhões de metros cúbicos de gás natural foram afetados lá", diz Schröder, e deve ter um impacto significativo no preço.

A situação nas instalações alemãs de armazenamento de gás é, entretanto, "saudável" novamente, segundo Schröder. "Já temos um nível superior a 55%".

Atualização 15/06/2022

Os preços europeus do gás excederam US$ 1.200 por 1.000 metros cúbicos pela primeira vez desde 12 de maio, após notícia de que o gasoduto Nord Stream está operando com apenas 40% da capacidade máxima de bombeamento.

Atualização 16/05/2022

O embaixador russo na União Europeia (UE), Vladimir Chizhov, alertou nesta quinta-feira (16) que problemas de reparo com as turbinas de bombeamento do gasoduto Nord Stream poderão resultar em uma paralisação completa do fornecimento de gás natural para a UE.

Tal cenário seria "um desastre para a Alemanha", que tem um alto nível de dependência das entregas de gás através do gasoduto, disse à agência de notícias RIA Novosti no Fórum Econômico Internacional de São Petersburgo (SPIEF).

O gasoduto Nord Stream reduziu os fluxos através do Mar Báltico para a Alemanha em cerca de 60% esta semana depois que a Siemens não retornou as turbinas de bombeamento que haviam passado por reparos no Canadá, devido às sanções anti-Rússia.

"Devemos perguntar à Siemens, por que as unidades de bombeamento de gás devem passar por manutenção no Canadá", disse Chizhov.

O CEO da Gazprom, Alexei Miller, disse nesta quinta-feira que "não há solução" porque a fábrica em Montreal é a única que pode reparar as turbinas.

Falando no Fórum Econômico Internacional de São Petersburgo (SPIEF 2022), Miller alertou que quase todas as outras turbinas do Nord Stream 1 estão perto de exigir manutenção, "mas não podemos enviá-las para o Canadá".

"A União Europeia. Todos estão falando sobre a estação compressora de Portovaya. O que é a estação compressora de Portovaya e o que está acontecendo com ela? Nós tocamos o emaranhado relacionado às sanções. Ou é isso ou a é decisão proposital de alguém.

É uma situação muito desafiadora. Essencialmente, quando estávamos construindo o Nord Stream 1 e o Nord Stream 2, mas especialmente o Nord Stream 1, todos estavam orgulhosos da escala e formato trans-europeu deste projeto. Dezenas de países europeus foram mencionados por sua contribuição no fornecimento de equipamentos para a construção do Nord Stream 1.

E como por parte da Alemanha várias empresas alemãs são acionistas da Nord Stream 1, isso significa que uma quantidade significativa de suprimentos de equipamentos e empresas alemãs fizeram parte deste projeto. Tomemos, por exemplo, a Siemens da Alemanha. Então, hoje todas essas unidades de compressores de gás, todos esses motores de turbina a gás são produzidos pela Siemens. No entanto,como sabemos, todo motor de turbina a gás tem um tempo definido entre as revisões. Após esse tempo expirar, o motor passa por uma revisão geral. Lembre-se, isso significa grandes reparos. Estes têm que ser feitos em um ambiente de fábrica. Aparentemente, a Siemens só tem uma fábrica para reparar esses motores. Está sediada no Canadá.

Voltando ao emaranhado das sanções e à questão de sua finalidade. Como você sabe, o único país que impôs sanções contra a Gazprom é o Canadá. Canadá? Não trabalhamos no Canadá. O que o Canadá tem a ver com isso? Ainda assim, o Canadá sancionou a Gazprom.

A Siemens, que é nossa parceira, enquanto a fábrica canadense não é, levou o motor para a fábrica e não conseguiu retirá-lo.

A Siemens – não nós, mas a Siemens – é informada: “Desculpe, temos nossa própria lei no Canadá, temos leis de sanções. Que direito internacional? Lei de sanções. A Gazprom está sob sanções. Você não os sancionou, mas nós o fizemos. Você tem uma fábrica aqui. Interessante. Você tem uma turbina que você possui e deve entregar. Interessante. Mas é impossível sob sanções. Impossível".

O que fazer? O Canadá diz: “Não sabemos. É impossível devido às sanções. Vá embora".

Fica pior. O motor ainda está na fábrica. A Siemens não pode retirá-lo. Enquanto isso, o tempo de revisão está se esgotando para outros motores – nem todos eles, restam alguns. Eles não podem ser enviados para o Canadá. Ou para outra fábrica em outro lugar.

Então perguntamos: “Isso aconteceu por causa de algum emaranhado relacionado a sanções?” Ou pode ter acontecido porque há uma resposta para a pergunta: “Por que isso aconteceu?”

Se essa pergunta tiver uma resposta, o objetivo das sanções pode ser muito mais global e espalhado. Pode ser útil considerar como e pelas mãos de quem isso é feito.

Posso dizer-lhe agora em termos claros: não há solução para o problema da estação de compressão de Portovaya no momento. Até agora nenhuma solução, você vê. A Siemens permanece em silêncio por enquanto. Eles estão em busca de soluções. Não há nenhuma.

É claro que a Gazprom está reduzindo seu fornecimento de gás para a Europa".

Miller também fez comentários sobre o gasoduto Nord Stream 2, interditado pelo governo alemão antes de entrar em operação comercial.

Construímos o Nord Stream 2 exatamente da mesma forma que construímos o Nord Stream 1. Primeiro, temos que ter uma coisa essencial chamada "um pedido". A questão é que nos pedem para realizar esses trabalhos. Não é que comecemos a construir projetos de infraestrutura desse tipo por iniciativa própria e depois dizer: "Oi, estamos na costa, nossa tubulação já está aqui". Claro que não.

Pediram-nos para construí-lo. Os investimentos foram imensos. E agora, quando todas as obras forem concluídas – como você sabe, as duas linhas do Nord Stream 2 estão sob pressão e o fornecimento de gás para a Alemanha pode ser iniciado ainda hoje – o gasoduto não é lançado porque não é certificado. Neste caso, surge uma pergunta: "Como se pode ter alguma confiança quando se trata de financiar projetos de investimento, em particular, projetos de investimento em larga escala?" Há maneiras mais difíceis de dizer: isso é discriminação contra investidores.

Atualização 16/05/2022

Os preços do gás natural na Europa subiram para mais de US$ 1.500 por mil metros cúbicos nesta quinta-feira na bolsa de Londres.

A Uniper, maior importadora de gás russo da Alemanha, disse que as entregas caíram 25% dos volumes acordados, enquanto a RWE disse ter observado restrições nos últimos dois dias. O país tem gás suficiente no momento porque está comprando mais no mercado spot.

O importador estatal de gás da Eslováquia, SPP, disse que esperava que as entregas de gás russas de quinta-feira fossem reduzidas em cerca de 30%, enquanto a concessionária de energia tcheca CEZ disse ter observado queda semelhante.

Na Áustria, que importa cerca de 80% de seu gás da Rússia, a OMV disse que a Gazprom informou sobre entregas reduzidas e afirmou que a demanda poderá ser coberta usando estoques e compras no mercado spot. A italiana Eni disse que receberia 65% dos volumes solicitados.

A francesa Engie disse que os fluxos caíram, mas os clientes não foram afetados, enquanto o operador de gasodutos GRTgaz disse em comunicado que os fluxos de gás da Alemanha para a França haviam parado desde quarta-feira.

"Desde 15 de junho, a GRTgaz notou uma parada no fluxo físico entre a França e a Alemanha. Esse fluxo era da ordem de 60 GWh/d no início de 2022, ou apenas 10% da capacidade do ponto de interconexão", disse.

Embora as necessidades imediatas possam ser atendidas, o armazenamento antes do pico da demanda de inverno será muito mais difícil se o fornecimento russo não for normalizado.

Adicionando ao desafio, o fluxo do Nord Stream 1 será completamente interrompido durante a manutenção anual do gasoduto entre 11 e 21 de julho.

Os Estados europeus aumentaram as importações de gás natural liquefeito (LNG), mas a Europa limitou a capacidade de importação de LNG e o já apertado mercado enfrentou desafios adicionais com interrupções na produção de LNG dos EUA.

Um incêndio na semana passada em uma planta de exportação de LNG no Texas, operada pela Freeport LNG, deixou a fábrica inoperante até setembro, quando deverá voltar a operar apenas parcialmente até o final de 2022.

A instalação, que responde por cerca de 20% das exportações de LNG, tem sido um importante fornecedor para compradores europeus.

Segundo analistas do Jefferies, "há risco de mais atrasos", pois os reguladores precisam aprovar o reinício das operações e duas investigações sobre a causa do acidente estão em andamento.

Atualização 17/06/2022

A agência reguladora alemã de energia Bundesnetzagenturv informou nesta sexta-feira (17) que a situação de fornecimento de gás é tensa mas a oferta está estável.

O relatório Gas supply status report (12 am, 17 June 2022) da agência observa o seguinte quadro:

  • A situação é tensa. O fornecimento de gás na Alemanha é, no entanto, atualmente estável. A segurança do abastecimento na Alemanha está atualmente salvaguardada.
  • Os fluxos de gás do gasoduto Nord Stream 1 foram reduzidos para 40% de sua capacidade máxima. Não podemos confirmar uma relação causal entre a falta de um compressor de gás no lado russo e a grande redução da oferta. Essa redução também afetou a transferência de gás para outros países europeus como França, Áustria e República Tcheca desde meados da semana.
  • Atualmente, as empresas afetadas pelas entregas em falta podem adquirir esses volumes em outros lugares do mercado.
  • Como resultado da redução da oferta, os preços aumentaram significativamente e permanecem em um patamar elevado.
  • O gás ainda está sendo injetado no armazenamento. Em comparação com ontem, a quantidade de gás armazenada aumentou ligeiramente. O gás está sendo injetado na instalação de armazenamento de Rehden na capacidade máxima.
  • Os níveis atuais de armazenamento nas instalações de armazenamento na Alemanha são de 56,3%. Nas instalações de Rehden o nível é de 9,5%.
  • A Bundesnetzagentur apoia expressamente o apelo para economizar tanto gás quanto possível.
Fluxo de gás natural russo © Bundesnetzagenturv
Fluxo de gás natural russo © Bundesnetzagenturv

Níveis de armazenamento

  • 15 de junho de 2022: 135 TWh (56,3%)
    [1º de abril de 2022: 64 TWh (26,7%), 1º de março de 2022: 68 TWh (27,8%), 1º de fevereiro de 2022: 87 TWh (35,9%)].
  • Desde 18 de março de 2022, mais gás foi injetado no armazenamento do que retirado dele em geral
  • Os níveis de armazenamento atuais são agora, em alguns casos, significativamente mais altos do que em 2015, 2017, 2018 e 2021.
Consumo de gás natural na Alemanha © Bundesnetzagenturv
Consumo de gás natural na Alemanha © Bundesnetzagenturv

Veja também: