"Quem culparia alguém por pensar que a Europa acabou? O presidente russo Vladimir Putin pode ter alcançado seu objetivo de quebrar a unidade europeia, com a economia sofrendo em várias frentes", escreve David Brown, CEO da New View Economics, em Ukraine war, energy crisis and Italy’s political turmoil call euro’s survival into question.

O economista entende que o conflito na Ucrânia, a crise energética e a turbulência política na Itália estão jogando a União Europeia no caos e não é surpresa que o euro esteja em apuros.

O teste recente abaixo da paridade para o euro em relação ao dólar americano é o menor de seus problemas e pode marcar o primeiro passo para a baixa de novembro de 2000 de 0,8225 euros.

"O Banco Central Europeu (BCE) está aumentando as taxas de juros pela primeira vez em mais de uma década e a estabilidade financeira está em risco. As perguntas que os investidores devem fazer são quão baixo pode o euro ir, e se ele pode mesmo sobreviver", provoca Brown.

No presente tumulto, o dólar americano só tem um caminho a percorrer e é para cima, diz David Brown.
No presente tumulto, o dólar americano só tem um caminho a percorrer e é para cima, diz David Brown.

"O risco de racionamento de energia para a indústria, e seu impacto sobre a inflação e o emprego em toda a Europa, vem no pior momento possível, pois a economia europeia ainda está lutando para se reerguer após mais de dois anos da pandemia, escassez global da cadeia de suprimentos e confiança econômica vulnerável", aponta o economista.

A preocupação dos líderes europeus é que a frente unida em relação à Rússia possa estar em risco se os países garantirem acordos vitais de energia russa para a indústria. Mas se a Alemanha entrar em recessão, levará o resto da Europa junto.

As chances são de que a zona euro possa estar em recessão até o final do ano.

O recente colapso no governo de Mario Draghi é uma outra má notícia para a estabilidade financeira europeia. Pode levar meses até que um novo governo seja formado, levando ao aumento da volatilidade do mercado financeiro enquanto isso.

"O spread de referência entre os rendimentos dos títulos públicos italianos e alemães de 10 anos já aumentou para 2,42 pontos percentuais de cerca de 1 ponto percentual no início de 2021, à medida que as percepções de risco aumentaram, com os mercados atentos para precedentes anteriores, de quase 5 pontos percentuais no auge da crise da dívida europeia de 2011. As chances de um evento de crédito ligado à Itália e uma crise de dívida europeia estão aumentando", alerta Brown.

"A Europa precisa de um período de calma, liderança positiva e estabilidade financeira. Sem ele, a Europa poderá ser arrastada para um novo teste existencial do euro. Seja qual for o resultado, os esforços do BCE para arrastar radicalmente as taxas de juros do euro para longe de zero por cento estarão fadados ao fracasso", diz o economista.

Atualização 26/07/2022

O FMI cortou suas previsões de crescimento global e elevou suas projeções para a inflação, alertando que os riscos para as perspectivas econômicas estão "esmagadoramente inclinados para o lado negativo".

As estimativas rebaixadas, divulgadas na terça-feira (26), vêm à medida que o mundo lida com as consequências da invasão da Ucrânia pela Rússia, interrupções prolongadas causadas pela pandemia e pelo aperto rápido das condições financeiras, com os bancos centrais buscando conter os preços em alta.

A Europa, já definida para um crescimento muito menor este ano do que previa anteriormente, também será desproporcionalmente afetada. O FMI já havia revisado para uma expansão de 2,6% em 2022 e 1,2% em 2023, com as perspectivas da Alemanha substancialmente inferiores às previstas em abril. No próximo ano, espera-se que sua economia cresça apenas 0,8%.

A cessação das exportações russas de gás poderá reduzir mais 1,3 pontos percentuais da previsão de crescimento da Europa para 2023, resultando em "crescimento regional próximo de zero", diz o Financial Times (FT).

O Banco Central Europeu já enfrenta desafios, incluindo como elevar as taxas de juros para combater a inflação sem causar uma nova crise de dívida na zona euro.

Pierre-Olivier Gourinchas, o principal economista do FMI, alertou que será um ambiente que testa a "coragem" dos bancos centrais em todo o mundo para continuar elevando as taxas de juros em uma tentativa de restaurar a estabilidade dos preços, mesmo que a economia esteja desacelerando, relata o FT.

"Estamos em um momento muito crítico aqui", disse Gourinchas. "É fácil esfriar a economia quando a economia está em alta. É muito mais difícil reduzir a inflação quando a economia está perto de uma recessão".

O risco de uma recessão é "particularmente proeminente" em 2023, porque até o próximo ano o crescimento deve acabar em vários países, os estoques de poupança acumulados durante a pandemia terão diminuído, e "mesmo pequenos choques podem fazer com que as economias parem", explica o FT.

Veja também: