A nova lei, que entrará em vigor em 1º de julho, segue uma ordem emergencial que DeSantis assinou em abril para proibir os chamados passaportes de vacina.

Ao contrário das proibições de passaporte de vacina em alguns outros estados, a lei da Flórida proíbe não apenas entidades governamentais, mas também empresas e escolas de exigirem prova de vacinação.

DeSantis havia alertado anteriormente que tais passaportes criam uma sociedade de duas camadas na qual parte da população é impedida de acessar certos produtos, serviços e empregos.

“Você tem o direito de participar da sociedade, ir a um restaurante, cinema, jogo de bola – todas essas coisas – sem ter que divulgar esse tipo de informação”, disse o governador nesta segunda-feira (3) em St. Petersburg, Florida. “E a propósito, você dá isso para as grandes empresas, elas vão absolutamente tentar monetizar isso. Portanto, não queríamos seguir esse caminho”.

DeSantis também determinou que todos os governos locais suspendam quaisquer restrições de distanciamento social relacionadas à pandemia. Essas medidas serão bloqueadas estatutariamente quando a nova lei entrar em vigor em julho.

“Acho que os indivíduos que estão falando que precisam estar policiando as pessoas a essa altura, se você está falando isso, na verdade está dizendo que não acredita nas vacinas, não acredita nos dados. Não acredita na ciência”.

DeSantis impôs um lockdown de 30 dias em abril de 2020, que lamentou um ano depois como um erro. Ele disse que os lockdowns destruíram vidas e devastaram economias em toda a América sem diminuir a disseminação do vírus.

Apesar de ter a segunda maior porcentagem da população com mais de 65 anos nos EUA, a taxa de mortalidade por covid-19 da Flórida, de 164 por 100.000 habitantes, é mais baixa que as taxas de outros 27 estados americanos, de acordo com dados do CDC. Os quatro estados com as taxas de mortalidade mais altas – New Jersey, New York, Massachusetts, Rhode Island – impuseram algumas das restrições mais rígidas da pandemia.

DeSantis disse que alguns governos de todo o país mantiveram os lockdowns em vigor ou até os prorrogaram depois que as evidências mostraram que as restrições às liberdades individuais não são eficazes ou justificadas. A nova lei cria a predisposição oposta em relação a futuras emergências na Flórida.

* Com informações do RT

Veja também: